Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 04 de julho de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 03/07/2020

Sebos de livros ainda resistem à modernidade da internet

Em Suzano apenas dois sebos ainda estão abertos, mas donos assumem que vendas ocorrem mais pela internet

Por Felipe Silva - de Suzano19 JAN 2020 - 08h30
Sebos tentam sobreviver em meio à internet. O DS consultou dois deles, em Suzano, na semana passadaFoto: Regiane Bento/Divulgação
Com o avanço da era digital, os sebos precisam se modernizar para enfrentar o novo mercado.
As pessoas atualmente, quando têm interesse em comprar livros, adquirem os conhecidos “e-books”, ou livros digitais.
 
No sebo “Beco do Livro”, em Suzano, a funcionária Carla conta que o movimento da loja enfraqueceu nos últimos tempos. Com a intenção de ajudar nas vendas do local, a loja começou a vender também discos de música. O endereço do sebo Beco do Livro, para quem gosta de comprar livros ‘físicos’, é a Travessa Luiz Laise, 79. O horário de funcionamento é das 10 as 17 horas. 
 
Aldo Harake, de 49 anos, é dono de um sebo em Suzano há 15 anos. Ele diz que menos pessoas estão frequentando a loja. nos últimos anos. Harake ainda conta que tem usado a venda de livros pela internet como alternativa para gerar renda. O site “Mercado Livre” e “Estante virtual” são as plataformas que ele usa para anunciar os livros e buscar compradores. O endereço do sebo é Rua Major Pinheiro Fróes, 232 - Vila Maria de Maggi. O horário de funcionamento é das 13 as 18 horas. 
 
O dono do sebo conta que as vendas dos livros variam muito com os meses do ano. Ele conta que em janeiro o movimento é mais forte por conta das voltas as aulas e faculdades, onde os estudantes tem uma série de livros para comprar e buscam o sebo como uma alternativa mais barata para a compra desses materiais. Já os meses de abril até setembro a venda tem uma queda brusca. 
 
Outra reclamação de Aldo é em relação às compras de livros. As pessoas estão cada vez menos querendo vender seus livros e em certos casos não sabem um lugar para poder vender. "As pessoas preferem ficar nas redes sociais do que adquirir conhecimento", diz.
 
O dono diz que é inevitável essa mudança, e afirma que os sebos devem se adaptar a esse novo tipo de negócio se não ficam para trás.
 
Aldo conta que a partir do momento em que comprar uma casa com mais espaço vai fechar o sebo, e apenas vender pela internet os livros. Para completar a renda da família Aldo é vigia no período noturno. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias