sexta 01 de março de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 29/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Copa do Mundo do Catar 2022

Argentina vence a França nos pênaltis e conquista a Copa do Mundo depois de 36 anos

Em jogo eletrizante, com seis gols, Argentina levanta o terceiro troféu de campeão mundial após bater os franceses nos pênaltis

Fernando Barreto - da Redação, de Campo Grande18/12/2022 - 15h32
Compartilhe:
Copa do Mundo do Catar 2022

Argentina vence a França nos pênaltis e conquista a Copa do Mundo depois de 36 anos

Em jogo eletrizante, com seis gols, Argentina levanta o terceiro troféu de campeão mundial após bater os franceses nos pênaltis

18 dezembro 2022 - 15h32Por Fernando Barreto - da Redação

Após 36 anos de espera, a Argentina conquistou sua terceira taça de Copa do Mundo. Depois de bater na trave em 2014, e quase deixar escapar neste mundial, os hermanos venceram os franceses nos pênaltis após empatarem em 3 a 3 nos 120 minutos de jogo.

A partida foi eletrizante. A Argentina começou muito bem e fez 2 a 0 logo no primeiro tempo. Um de pênalti com Messi e outro de contra-ataque, com Di Maria. No segundo tempo, Scaloni tirou Di Maria, o que prejudizou a equipe. A França se lançou ao ataque, e conseguiu empatar, com dois de Mbappé, até então apagado no jogo.

Nas prorrogações, os hermanos fizeram o terceiro, com Messi. Parecia que a final de 1986, a última conquistada pela Argentina, se repetia. Naquele mundial os hermanos abriram 2 a 0 sobre a Alemanha, tomou o empate, mas virou depois. Foi então que a estrela de Mbappé brilhou de novo. O francês fez de pênalti.

Assim, a partida se seguiu para os pênaltis. E foi a vez da estrela do goleiro Emiliano Martínez brilhar. Ele defendeu o chute de Coman, e pegaria, se não fosse para fora, o chute de Tchouaméni.

A Argentina marcou as quatro cobranças, com Messi, Dybala, Paredes e Montiel e levantou seu terceiro troféu.

A "scaloneta", como ficou conhecida em referência ao treinador Lionel Scalone, vem quebrando tabus. Primeiro o de conquistar uma taça, no caso a Copa América de 2020, vencida sobre o Brasil, no Maracanã. Desde 1993 a Argentina não levantava uma taça. E agora, conquistaram o título da Copa do Mundo.

Primeiro tempo

A Argentina foi avassaladora no primeiro tempo, com marcação pressão no campo de defesa francês, além de não perder as divididas.

Di Maria, então ausente nas últimas partidas, entrou, e muito bem. Scaloni escalou o atacante na ponta esquerda, diferente do habital, que seria na ponta direita. 

E foi com ele que os dois gols da Argentina saíram. Messi sempre sozinho, por mérito próprio, uma vez que a França tentava manter marcação dupla nele. E todas as bolas eram alçadas para Di Maria. E foi aos 20 minutos, quando Di Maria recebeu invertida de bola, entrou na área e acabou sendo derrubado, para delírio dos argentinos e frustração dos franceses.

Messi foi até a marca da cal, e com muita categoria deslocou Lloris, que caiu para um lado e a bola foi no outro canto. 

A partida se seguiu assim. A França com dificuldades de evoluir no campo de ataque. Tanto que as duas únicas grandes chances da França foram aos 13 minutos, em tabela de Mbappé, e depois aos 19, com Griezmann, em cobrança de falta para cabeçada de Giroud.

Enquanto os argentinos seguiram com mais toque de bola, invertendo bolas, o que confundia a defesa francesa, e a genialidade de Messi. E foi com tudo isso que o segundo gol saiu.

Aos 37 minutos, em uma das tentativas de ir ao ataque, De Paul roubou a bola, tocou para Messi. O camisa 10 conseguiu com um simples toque, entre dois franceses, passar para Julian Álvarez, que imediatamente devolveu para Mac Allister. O volante, que ganhou a titularidade durante a Copa, tocou para Di Maria. O atacante só chutou na saída de Lloris para ampliar o placar.

No desespero, a França foi ao ataque e Deschamps promoveu duas mudanças já com 40 minutos. Saiu Dembélé para entrada de Muani. E sacou Giroud para colocar Thuran.

Mas ficou assim até os minutos finais.

Segundo tempo

O segundo tempo foi morno. A Argentina administrou o jogo. Tanto que a França só finalizou a primeira vez neste tempo aos 22 minutos. Logo em seguida, aos 25, veio o primeiro chute de Mbappé no jogo. Mas ficou assim.

As coisas vieram a mudar depois que Scaloni trocou Di Maria. Foi assim que a França, buscando mais o ataque, conseguiu aos 35 minutos um pênalti. 

Mbappé cobrou, quase perde, mas consegue converter. Assim a França foi ao ataque. E conseguiu dois minutos depois empatar. Messi perdeu a bola do meio-campo. Em bate-rebate, Mbappé ficou com a bola na entrada da área e chutou de primeira para fazer 2 a 2.

Muita pressão da França, mas que ficou assim. Os argentinos, abatidos, conseguiram levar para a prorrogação, apesar das chances da França não convertidos e uma de Messi, no minuto final.

Prorrogação

Se o jogo foi eletrizante, na prorrogação não poderia ser diferente. A Argentina conseguiu equilibrar de novo o jogo. No fim do tempo regulamentar o semblante dos hermanos era de tristeza. Mas melhorou no início dos 15 minutos finais.

Em jogadaça de Messi, o artilheiro fez, em lance confuso. A bola foi rebatida de dentro do gol, mas ficou a dúvida se tinha entrado. O VAR confirmou.

Os franceses não se abateram, e Montiel, em lance bobo, abriu o braço e cometeu pênalti, após chute de jogador francês. Mbappé fez.

Pênaltis

A França abriu as cobranças. Mbappé fez e Messi em seguida converteu. Na sequência Coman perdeu e Dybala fez.

Tchouaméni em seguida chutou para fora e Paredes fez o terceiro.

Por fim, Muani até esboçou uma virada francesa, mas Montiel, que havia cometido o pênalti do empate, fez. 

Deixe seu Comentário

Leia Também