Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quinta 23 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/11/2017
mrv

Câmara elege Aguinaldo Ribeiro para Comissão

11 MAR 2015 - 08h00

Investigado no âmbito da operação Lava Jato, o deputado federal e ex-ministro das Cidades Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) foi eleito ontem como o primeiro vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, a mais importante da Casa. A escolha de Ribeiro foi marcada por forte protesto: dos 54 votantes, 28 apoiaram o parlamentar e 26 votaram em branco. Também foram eleitos hoje os deputados Osmar Serraglio (PMDB-PR) e Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB) para a segunda e terceira vice-presidência da comissão, respectivamente.

Os dois principais postos da CCJ passam a ser ocupados por parlamentares incluídos na lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e que tiveram inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal (STF). Isso porque, na semana passada, o deputado Arthur Lira (PP-AL) chegou à presidência do colegiado graças a um acordo costurado com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), durante a campanha para o comando da Casa.

A eleição realizada ontem na CCJ foi marcada por polêmica. O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) fez um apelo para que tanto Lira quanto Ribeiro se declarassem impedidos de exercer a presidência e a vice-presidência do colegiado. "Os processos (disciplinares) eventualmente abertos depois do inquérito e encaminhados ao Conselho de Ética (da Câmara) poderão vir para cá", disse Delgado. "Muitos dos deputados do partido (PP) poderiam estar envolvidos, até mesmo vossas excelências". Para Delgado, a CCJ não pode neste momento estar prejulgada.

Arthur Lira disse que não havia qualquer previsão regimental que embasasse a substituição do comando da CCJ e parlamentares do PP e do PMDB saíram em sua defesa. Ricardo Barros (PP-PR) disse que a denúncia era "vazia" e Manoel Júnior (PMDB-PB) argumentou que não há dispositivo na Constituição do Brasil que impeça um deputado investigado de exercer prerrogativas do mandato. "Me revolta que alguém de forma oportunista venha usar o microfone querendo incriminar colegas previamente", finalizou Alceu Moreira (PMDB-RS).

Lava Jato

O ex-ministro Aguinaldo Ribeiro será investigado no inquérito que tem 39 nomes de possíveis envolvidos em suposta formação de quadrilha para prática dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na operação Lava Jato. Segundo o doleiro Alberto Youssef, o deputado se beneficiou do pagamento mensal de propina feito ao PP, com repasses da "cota" do partido no esquema da Petrobras.

Arthur Lira, por sua vez, também consta no inquérito que apura a atuação de suposta quadrilha, além de ser investigado em duas peças ao lado de seu pai, senador Benedito de Lira (PP-AL). Em uma das investigações, Youssef declara que pagou resquícios de campanha de Arthur Lira e Benedito de Lira por meio de transferências de empresas de fachada e diz ter intermediado uma doação oficial de R$ 400 mil pela empresa UTC para o senador. O valor, segundo a procuradoria, era resultado de vantagens indevidas decorrentes do esquema de corrupção na estatal Petrobras.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias