sexta 12 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 12/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Polícia Civil também procura pela babá

Babá suzanense desaparece após sair de casa para ir ao trabalho em Mogi

Antes de sumir, a babá vestia uma calça jeans escura, blusa de lã vermelha e jaqueta preta

22 agosto 2017 - 14h57Por Marcus Pontes - de Suzano

Angústia. Este é o sentimento da família da babá suzanense Maria Helena Guimarães Souza, de 45 anos. Ela desapareceu após sair para ir ao trabalho em Mogi das Cruzes. Segundo a filha dela, Thais Guimarães Souza, a aflição na falta de notícias sobre o paradeiro da mãe aumento depois que alguma pessoa abriu o WhatsApp dela – aplicativo de mensagens instantâneas.

Thais disse que a mãe sumiu na segunda-feira (21). Disse também que a babá sai para ir ao trabalho todos os dias às 7h30. Desta vez, a chegada dela ao município mogiano é uma incógnita.

“Alguns vizinhos disseram ter a visto indo ao terminal de ônibus. Mas não há nada que indique que ela pudesse ter sumido dali. Achamos que ela nem sequer chegou a entrar no coletivo”, lamentou a técnica em enfermagem.

Além disso, a filha da babá relatou que a família somente soube do desaparecimento depois que a chefe da mãe ligou. “A patroa dela ligou para saber sobre o motivo dela ter se ausentado. Ela estranhou, pois a minha mãe ama o trabalho”, frisou.

Thais também destaca que a família registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) de desaparecimento na Delegacia Central. Apesar do registro oficial, os familiares estão colocando cartazes com a foto da babá em vários pontos de ônibus do município suzanense. “Ela sempre leva o celular. Ligamos várias vezes, mas cai na caixa postal. Somente às 18h15, alguém abriu o WhatsApp dela. Buscamos que, se alguém tenha encontrado o celular, possa nos informar”.

A técnica em enfermagem ressalta que qualquer informação sobre o paradeiro da babá pode ser fornecido por meio dos telefones: 4759-3035, 9-9767-1308, 9-8506-6378, além do próprio Disque-Denúncia (181).