Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 11 de Dezembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 10/12/2017
mrv

Afogamentos crescem 23%; Lagoa Azul está entre as mais perigosas do Alto Tietê

De acordo com o 17º Grupamento de Bombeiros de Mogi das Cruzes, em 2017, foram registrados 16 casos. Já no ano passado, houve 13 ocorrências

Por Lucas Lima - da Região01 OUT 2017 - 09h01
Corporação listou 19 lugares como os mais perigosos da região. Entre eles estão a Lagoa Azul, Represa de Taiaçupeba e Barragem do Rio TietêFoto: Arquivo/DS
O número de afogamentos aumentou 23,08% no Alto Tietê entre janeiro e agosto deste ano e o mesmo período do ano passado. De acordo com o 17º Grupamento de Bombeiros de Mogi das Cruzes, em 2017, foram registrados 16 casos. Já no ano passado, houve 13 ocorrências. A cidade que mais contabilizou casos foi Mogi das Cruzes. Os dados são referentes também a Biritiba Mirim, Salesópolis, Guararema, Suzano, Poá, Itaquaquecetuba e Ferraz de Vasconcelos. A corporação listou 19 lugares como os mais perigosos da região. Entre eles estão a Lagoa Azul, Represa de Taiaçupeba e Barragem do Rio Tietê.
 
Liderando o ranking de casos, Mogi computou sete casos neste ano e três no mesmo período de 2016. Um aumento de 133,33%. O maior crescimento de casos de afogamento na região foi em Biritiba Mirim. A cidade teve um aumento de 300% nos registros, com três casos neste ano. Em 2016, nenhum afogamento havia sido computado.
 
Todas as outras cidades registraram diminuição nos afogamentos. Suzano registrou queda de 25% nos casos, passando de quatro no ano passado para três casos, em 2017. Em Guararema, o número de ocorrências também caiu. Em 2016, a cidade teve dois casos e até o oitavo mês deste ano nenhuma ocorrência foi notificada.
 
Poá e Itaquá também registraram queda. A duas cidades não computaram casos neste ano. Em 2016, o município poaense havia contabilizado dois afogamentos e Itaquá registrou um caso. Em Salesópolis foram feitos dois registros em 2017. O levantamento não aponta quantos casos foram registrados na cidade no ano passado. Já Ferraz manteve o mesmo número de afogamentos nos dois anos, com um caso cada.
 
Locais de Incidência
 
Entre os locais com maior incidência de casos, Suzano possui o maior número, com cinco represas ou lagoas. São elas: Lagoa do Parque Maria Helena, Lagoa Azul, Lagoa Vila Vilela, Lago do Raposo e Represa de Taiaçupeba, próximo à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).
As outras cidades com maior número de locais estão Itaquá e Mogi, com quatro cada. Na cidade mogiana, os lugares de risco são: as represas de Taiaçupeba e Jundiapeba (na Estrada das Varinhas), o Rio Tietê e Lagoas. Já em Itaquá, os lugares apontados pelos Bombeiros são: Parque Ecológico, Lagoa Mascarenhas, Lagoa Miguel Badra e Rio Tietê. 
 
Guararema, Salesópolis e Biritiba Mirim têm dois locais cada. Na primeira cidade são: Rio Paraíba e Cachoeira do Putim. Em Biritiba Mirim tem a Barragem do Rio Biritiba e o Rio Tietê. E, em Salesópolis são as barragens de Ponte Nova e do Paraitinga.
 
Setembro
 
Nestes primeiros 22 dias de setembro deste ano, as cidades registraram três casos. Destes, dois aconteceu em Mogi e um em Guararema. No último ano inteiro, foram contabilizados 22 afogamentos na região. 
 
Cadáver
 
Além disso, os Bombeiros divulgaram que, no ano passado, dez pessoas morreram em decorrência de afogamentos. Destes, quatro foram em Mogi, quatro em Itaquá, um em Suzano e outro em Guararema.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias