quinta 23 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Região

Ferraz autoriza retomada das obras do Centro de Convenções

Obra, que foi entregue parcialmente em 2012, tem prazo para entrega de dois anos e custará R$ 12 milhões

11 abril 2024 - 06h00Por Thiago Caetano - de Ferraz
Após anos de espera, Ferraz de Vasconcelos autorizou, nesta quarta-feira (10), a retomada das obras do Centro de Convenções, situado na Praça dos Trabalhadores, no Centro do município. A obra custará R$ 11,3 milhões e deve ser finalizada em até dois anos. O espaço contará com apresentações de teatro e demais atividades culturais.
 
A obra tem um grande significado para a cidade. Isto porque, a estrutura começou a ser construída em 2010, mas foi entregue parcialmente em 2012, durante a gestão do ex-prefeito Jorge Abissamra, e nunca foi utilizada pela população. O local chegou a ser interditado pela Defesa Civil da cidade por risco de desabamento. 
 
Também houve denúncias de desvio de verbas públicas e foi embargado pela Justiça em 2013. A praça também chegou a ser desativada, mas foi reaberta no final de 2021. Desde então, diversas reuniões foram realizadas a fim de destravar a obra. 
 
“Aqui traz a história, o pertencimento, a alegria e um futuro brilhante na nossa cidade. O meu compromisso era o desenvolvimento de Ferraz e um deles era finalizar todas as obras paradas”, destacou a prefeita Priscila Gambale (Podemos).
 
Desde segunda-feira (8), funcionários atuam no local para fazer a limpeza. Novas paredes serão erguidas dentro da estrutura e um teste de carga será realizado, ao término das obras, para comprovar a segurança do prédio. “Estamos trabalhando com muita responsabilidade para fazer essa entrega para as famílias ferrazenses”, afirmou a chefe do Executivo do município. 
 
Em relação ao investimento, Priscila Gambale destacou ainda que caso houvesse a demolição da estrutura, a prefeitura teria que devolver R$ 18 milhões ao governo federal. A prefeita também explicou que a empresa vencedora da licitação no período em que a obra foi iniciada, procurou a prefeitura para fazer um acordo jurídico, pois tinha uma dívida aproximada de R$ 16 milhões.
 
“Entramos em acordo e voltamos com o processo inicial da obra, que foi iniciada pela empresa sem custo nenhum da prefeitura. Infelizmente não foi dada sequência na construção e o prazo do contrato foi finalizado. Só poderia ser finalizada com recurso municipal. Utilizamos o dinheiro do empréstimo e agora tenho controle e consigo cobrar a empresa”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também