Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 21 de outubro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/10/2019
Villa Europa
São Paulo Secretaria da educação
CENTRO ONCOLÓGICO

Lei Antifumo completa dez anos com mais de 53 mil de vistorias no Alto Tietê

Desde agosto de 2009, equipes da Vigilância Sanitária atuam para manter ambientes livres de tabaco; legislação contribuiu para diminuição de infartos, AVCs e doenças pneumológicas, entre outros benefícios à saúde

Por da Região07 AGO 2019 - 12h00
Lei Antifumo proíbe o consumo de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco em locais total ou parcialmente fechadosFoto: Sabrina Silva/DS

 Lei Antifumo paulista, pioneira no país, completa neste mês sua primeira década, com resultados expressivos no combate ao tabagismo passivo e índice de 99,7% de cumprimento. Desde agosto de 2009, quando a lei entrou em vigor no Estado de São Paulo, foram realizadas mais de 2 milhões de inspeções e 4 mil autuações. No Alto Tietê, foram 53,8 mil inspeções e 154 autuações, no período.

A Grande São Paulo concentra o maior número de estabelecimentos comerciais passíveis de fiscalização. Na década, foram 644,7 mil inspeções e 1,9 mil autuações. Na sequência, aparecem as regiões do Vale do Paraíba, com 162,2 mil inspeções e 365 autuações; São José do Rio Preto, 149,4 mil inspeções e 289 autuações; Campinas, com 140,1 mil e 337, respectivamente; e Ribeirão Preto, com 121,1 mil inspeções e 184 autuações. 

 “A implantação, manutenção e o alto índice de cumprimento da Lei Antifumo, nesses dez anos, é motivo de celebração. O Estado de São Paulo foi pioneiro ao implantar a legislação e inspirou outros locais, do país e do mundo, a buscar hábitos e ambientes mais saudáveis e livres do tabagismo”, afirma o Secretário de Estado da Saúde de São Paulo, José Henrique Germann Ferreira.

A diretora de Vigilância Sanitária de São Paulo, Maria Cristina Megid, comemora os avanços conseguidos ao longo da década. “A Lei Antifumo ajudou a trazer mais qualidade de vida aos paulistas, além de contribuir para que os ambientes se tornassem mais agradáveis e saudáveis. Estudos demonstram a diminuição de infartos, acidentes vasculares cerebrais e doenças pneumológicas no Estado nestes dez anos. Certamente, a legislação contribuiu para este feito”, afirma.

Megid relembra, ainda, quão desafiadora foi a missão da Secretaria, em 2009: “Precisávamos fazer uma ação educativa em massa para 42 milhões de paulistas. Era necessário fazer uma ‘maratona’ por todo o Estado, treinar técnicos e fazer com que os fiscais e a população entendessem o real significado da lei: uma importante política pública de proteção e promoção à saúde”.

A Lei Antifumo proíbe o consumo de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco em locais total ou parcialmente fechados. O valor da multa por descumprimento à lei é de R$ 1.253,50, e dobra em caso de reincidência. Na terceira vez, o estabelecimento é interditado por 48 horas, e na quarta o fechamento é por 30 dias.

Denúncias sobre eventuais infrações podem ser feitas por meio do telefone 0800 771 3541 ou pelo site http://www.leiantifumo.saude.sp.gov.br/index_publico.jsp.

A legislação foi sancionada em maio de 2009 e implementada em agosto do mesmo ano. Nesses três meses, as equipes da Vigilância atuaram para dialogar com a população e com estabelecimentos comerciais. A Fundação Procon-SP esteve presente desde o início das atividades.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias