segunda 17 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 16/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Região

Mortes violentas têm queda de 9,3% nas cidades do Alto Tietê, aponta SSP

Números são referentes aos cinco primeiros meses deste ano das mortes violentas na região

25 junho 2019 - 17h11Por Marcus Pontes - da Região
Um dia após o assassinato do cabo Marivaldo Camelo Rocha Junior, durante atendimento à  ocorrência em Ferraz de Vasconcelos, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgou nesta terça-feira (25) dados relativos a casos de homicídio no Alto Tietê.
 
Os números referentes aos cinco primeiros meses deste ano apontam para uma redução de 9,3% de mortes violentas nas dez cidades que compõem a região. Foram 39 ocorrências, contra 43 do mesmo período do ano passado.
 
Mesmo diante dessa redução, os dados da SSP expõem que quatro das cinco principais cidades da região são os locais com o maior número de mortes violentas.
 
De janeiro a maio deste ano, o município com o maior número de assassinatos foi Suzano, com nove. No período anterior, a cidade registrou seis ocorrências, um aumento de 50%.
 
Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes computaram oito casos de mortes violentas cada nos cinco primeiros meses deste ano. Durante o mesmo período do ano passado, Itaquá liderava, com 15 ocorrências. Seguido da cidade mogiana, que, à época, totalizou nove.  
 
Palco da execução do cabo Rocha, que integrava a Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas), da 3ª Cia do 32° Batalhão de Polícia Militar Metropolitana, Ferraz de Vasconcelos aparece como a quarta cidade com o maior número de mortes violentas da região. Foram seis ocorrências.
 
Em 2018, a cidade tinha computado apenas um caso, o que mostra um expressivo aumento de 500%.
Os dados divulgados ontem mostram que Guararema computou três casos; Santa Isabel e Arujá dois; e Poá uma ocorrência. 
 
As cidades de Biritiba Mirim e Salesópolis não computaram nenhuma morte violenta este ano. 

Deixe seu Comentário

Leia Também