domingo 19 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Crime

Pró-Vítima vai expandir acolhimento a famílias de crianças e de adolescentes que passaram por abuso

Medida será debatida durante o III Fórum de Ações Afirmativas de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e de Adolescentes; evento acontece nesta sexta-feira (10/5), das 14h às 18h, na Câmara Municipal de São Paulo

09 maio 2024 - 10h29Por da Reportagem Local

O Instituto Brasileiro de Atenção e Proteção Integral a Vítimas (Pró-Vítima) vai expandir o acolhimento a famílias de crianças e de adolescentes abusados sexualmente. A medida será encabeçada por uma equipe multidisciplinar que atuará tanto na investigação dos casos quanto no atendimento em saúde mental das vítimas. 

A aplicação da iniciativa será debatida durante o III Fórum de Ações Afirmativas de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e de Adolescentes, que acontece nesta sexta-feira (10/5), das 14h às 18h, na Câmara Municipal de São Paulo (Viaduto Jacareí, 100 - Bela Vista). O evento está sendo organizado por movimentos sociais de proteção à pessoa com múltiplas deficiências, incluindo o Pró-Vítima, o Coletivo “O Direito Achado na Rua” e o Instituto “Ana Luísa”.

Presidente do Pró-Vítima, Celeste Leite dos Santos será a mediadora do Fórum. Segundo a promotora de Justiça, a ideia do encontro é discutir sobre os meios de investigação do abuso sexual de crianças e de adolescentes e medidas que possam ampliar o acolhimento a essas vítimas, incluindo o atendimento psicológico:

“Nesta esteira, o Pró-Vítima será uma porta de acolhimento às famílias de crianças e de jovens que passam por abuso sexual e que estão sendo identificadas por meio de um trabalho multidisciplinar, que envolve o poder público e entidades sociais. Este tipo de violência pode acontecer de muitas formas, mas é fato que o abusador se aproveita da relação de confiança que tem com a vítima. Por isso, dar luz a este assunto e ampliar o atendimento, melhorando também a investigação, é crucial”, pondera Celeste.

Durante o III Fórum de Ações Afirmativas de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e de Adolescentes, a psicóloga e cineasta Vanessa Rodrigues falará sobre a importância de aproximar a população de órgãos sociais, para que vítimas saibam onde procurar por ajuda, sobretudo quanto à acompanhamento psicológico:

“Tendo conhecimento mínimo sobre saúde mental, é possível compreender melhor sinais e sintomas que angustiam; aprender estratégias de enfrentamento, e identificar recursos e locais para se obter apoio. Além disso, a conscientização estimula a empatia e a criação de outros ambientes inclusivos e solidários para acolher vítimas de crimes sexuais”, reforça a promotora de Justiça. 

Polícia Federal
O encontro também vai contar com a participação da presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Estado de São Paulo (SINPF/SP), Susanna do Val Moore, e de representantes de organizações sociais voltadas à Defesa da Mulher, da Infância e da Juventude. Psicólogos, conselheiros tutelares, assistentes sociais e operadores do Direito estarão igualmente presentes para contribuir com experiências práticas e conhecimentos.

Dados
Segundo o relatório de setembro de 2023 da Childhood Brasil, a cada hora, quatro crianças são abusadas sexualmente no País. Mais da metade das vítimas tem de 1 a 5 anos. A violência, em geral, de acordo com o estudo, é cometida por alguém próximo da vítima e quase sempre dentro do convívio familiar.

Deixe seu Comentário

Leia Também