sábado 24 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Região

Procon de Mogi apresenta dicas para compras na Black Friday

No ano passado, apenas no Procon-SP foram registradas 700 reclamações sobre mudança de preços e cancelamentos

09 novembro 2022 - 09h00Por de Mogi
O Procon de Mogi apresentou uma série de orientações aos consumidores para se planejarem com cautela durante compras da "Black Friday", evento do comércio varejista que promove descontos e ofertas. No Brasil, ele está programado para ocorrer a partir de 25 de novembro. 
 
No ano passado, apenas no Procon-SP foram registradas 700 reclamações. Os principais problemas foram sobre pedidos cancelados, mudança de preço, maquiagem de desconto, falta do produto ou serviço, atraso na entrega ou não entrega. 
 
Pesquisa prévia
 
Para conseguir economizar de fato, é importante que o consumidor primeiro faça uma lista dos produtos que precisa e está interessado em adquirir. Assim, o consumidor já deve começar agora a monitorar o preço para verificar a variação e se, realmente, haverá um desconto real.
 
“É comum algumas empresas elevarem de forma desproporcional o valor dos produtos semanas antes, para que na Black Friday possam divulgar um desconto de 70% ou 80%. Mas, quando se verifica a média do valor praticado há pouca ou nenhuma alteração. Esta é a maquiagem de preço”, explica a coordenadora do Procon de Mogi das Cruzes, Fabiana Bava. 
 
Sites falsos
 
Outra recomendação importante é não acessar nenhum desconto ou site por meio de links enviados por aplicativos de mensagens, e-mail ou outras plataformas, pois essa é uma das principais formas de captura do consumidor para sites falsos. O ideal é que a pessoa procure pelo produto direto. É preciso muita atenção, pois essas páginas têm apresentações muito semelhantes aos portais de grandes redes varejistas, o que induz facilmente ao engano. 
 
Caso o pagamento seja por meio de boleto, desconfie se o beneficiário não for a loja onde adquiriu o produto e evite pagar boletos de plataformas intermediárias, pois nem sempre é possível confirmar o beneficiário final.
 
Os sites devem sempre exibir o CNPJ da empresa. Com isso, o consumidor pode consultar no site da Receita Federal para verificar se o fornecedor é de fato o mesmo do anúncio. E também checar se a empresa foi criada há pouco tempo. "Infelizmente, os principais golpes são aplicados por empresas recém-abertas, que utilizam domínios semelhantes aos oficiais, o que pode enganar o consumidor e os pagamentos normalmente encaminhados para pessoas físicas”, complementa Fabiana.
 
Pagamento
 
Ao fazer o pagamento de uma compra por meio do boleto bancário, o consumidor deve conferir todos os dados antes de finalizar o procedimento – como o nome da empresa, data, CNPJ, etc. Ao pagar via Pix, o destinatário do pagamento também deve ser conferido atentamente.
 
Para compra por cartão de crédito é importante verificar se a página onde os dados do cartão serão lançados tem segurança, com a indicação de um ícone de cadeado no lado superior esquerdo, e se o nome do site se inicia pela sigla HTTPS. Além disso, de preferência incluir os dados do cartão digital, que é gerado pelo aplicativo do banco e tem constante atualização, o que não acontece com os dados do cartão de crédito físico.

Deixe seu Comentário

Leia Também