domingo 25 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
São Paulo

TRT determina efetivo mínimo para funcionamento do metrô

Serviço deve funcionar com 80% do serviço em horários de pico e com 60% nos demais horários.

23 março 2023 - 14h16Por da Agência Brasil

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) deferiu, nesta quinta-feira (23), por volta das 10h, uma liminar que determina o funcionamento das linhas em greve do metrô com 80% do serviço nos horários de pico (entre 6h e 10h e entre 16h e 20h) e com 60% nos demais horários.

Metroviários das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e o monotrilho linha 15-Prata deflagraram greve a partir de hoje, para reivindicar o pagamento da participação nos resultados dos últimos três anos da Metrô, além de soluções para problemas de falta de funcionários e de investimentos.

Em nota, o Metrô disse que não “há justificativa para que o Sindicato dos Metroviários declare greve reivindicando o que já vem sendo cumprido pela empresa”.

“A realidade não possibilita o pagamento de abono salarial neste momento, já que a empresa teve significativas quedas de arrecadação pela pandemia e não teve ainda o retorno total da demanda de passageiros, se comparada a 2019”, diz o texto.

Catracas

Por volta das 9h de hoje, o governo estadual comunicou que aceitaria a liberação das catracas, proposta pelos metroviários, mas as estações não foram reabertas. A assessoria de imprensa do Metrô disse à Agência Brasil, por volta de 12h30, que isso se devia a motivos de segurança, pois não houve retorno de 100% do efetivo de trabalhadores. A companhia, no entanto, não informou qual o percentual faltante no momento.

Os metroviários fazem, no início desta tarde, uma nova assembleia para decidir sobre a continuidade do movimento paredista.

A liminar desta quinta-feira (23) foi concedida após pedido de mandado de segurança pelo Metrô em que solicita a anulação de decisão anterior, que indeferiu o requerimento para que o tribunal fixasse quantitativo mínimo de funcionamento dos trens.

Em caso de descumprimento, poderá ser aplicada multa ao sindicato dos trabalhadores no valor de R$ 500 mil por dia.

O magistrado expõe que “considerando as circunstâncias e urgência do caso, e diante da manifestação expressa da empresa pela recusa ao procedimento de liberação das catracas, entendo pela necessidade de estabelecer certos parâmetros para o regular exercício do movimento paredista”.

A decisão anterior da juíza-relatora do caso, Eliane Aparecida da Silva Pedroso, não fixava um quantitativo mínimo de funcionamento dos trens em caso de greve e acatava a liberação das catracas, método proposto pelo sindicato dos trabalhadores para não prejudicar a população.

Impactos

Diariamente, quase 3 milhões de pessoas circulam pelas linhas paralisadas. Durante a manhã, muitos passageiros foram surpreendidos na chegada às estações e outros tiveram dificuldades para completar o trajeto até o trabalho. Na Avenida Paulista, onde há integração das linhas 4-Amarela – que seguiu funcionando por ser operada por uma empresa concessionária –, e a 2-Verde, por volta das 9h30, as pessoas ainda estavam confusas sobre qual percurso seguir.

A analista em saúde Maiara Farias saiu de Suzano, na região metropolitana, e chegou à Estação Luz, onde conseguiu embarcar na Linha 4-Amarela, mas, ao chegar na região da Avenida Paulista, encontrou a Linha 2-Verde paralisada. “Estou esperando uma amiga para a gente pegar um Uber. Vou gastar um dinheiro extra”, relatou.

A cabeleireira Regina Reis vem da Vila Itaim, na zona leste da cidade. Como usa o trem, não foi prejudicada pela greve. Mas na descida da Linha 4-Amarela, na Estação Paulista, na Rua da Consolação, ela ficou confusa sobre qual direção seguir. Normalmente, ela usa a conexão para a Estação Consolação, da Linha 2-Verde. "Por isso que eu fiquei atrapalhada".

Dentro da estação da Linha 4-Amarela, os funcionários tentavam redirecionar o fluxo para a saída, o número de pessoas era maior do que o normal devido ao fechamento da conexão. Pelos alto-falantes era informado, de maneira intermitentemente, que as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e o monotrilho linha 15-Prata estavam paralisadas.

Maria Lúcia da Silva é servente em um hospital e já tinha avisado no trabalho que iria atrasar.

“Pego a Linha 3-Vermelha, vou até a Sé [no centro] e depois pego a [Estação] Vergueiro. Hoje está difícil. Tive que pegar um trem e agora vou andar a pé. Vou pegar qualquer ônibus pra descer lá na Estação Vergueiro”, relatou.

Transporte

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrava 432 quilômetros (km) de engarrafamento por volta das 11h30. A pior condição era na zona sul, com 110 km de filas.

A SPTrans informou, nesta manhã, que prolongou duas linhas e reforçou a frota de 13 já existentes que atendem o eixo das linhas de metrô na cidade, em virtude da paralisação dos metroviários.

O órgão da prefeitura apontou ainda que determinou às concessionárias do sistema municipal de transporte público coletivo para que mantenham a operação da frota em 100% ao longo do dia, inclusive entre os picos.

As concessionárias ViaMobilidade e da ViaQuatro, que operam as linhas de metrô 4-Amarela e 5-Lilás de metrô; e as linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda de trens metropolitanos, informaram que as operações seguem normalmente nesta quinta-feira.