quarta 21 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Alto Tietê tem 156 áreas de risco contabilizadas pela Defesa Civil

Órgão faz orientação a população das cidades da região para risco eminente em dias de chuva intensa

12 fevereiro 2023 - 05h00Por Guynever Maropo - de Suzano

Seis das dez cidades do Alto Tietê contabilizam 156 áreas de risco na região. Os dados são da Defesa Civil de Suzano, Ferraz de Vasconcelos, Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba, Poá e Santa Isabel.

A Defesa Civil orienta a população a procurar abrigo em caso de chuva intensa. 

Para os motoristas é orientado parar os carros em local seguro em caso de risco de enchente. Além disso, evitar ficar embaixo de árvores ou postes de energia. 

As principais orientações para a população neste período do ano é evitar sair durante chuvas intensas, buscar abrigo seguro e não enfrentar enxurradas e alagamentos. 

Ao sinal de qualquer trinca ou desmoronamento nas residências os moradores devem acionar a Defesa Civil. 

A Defesa Civil de Suzano contabilizou 45 áreas de risco, distribuídas em 180 setores, sendo 53 em margens de rios/córregos, 92 em encostas e 35 em margens de rios/córregos e encostas em diferentes regiões da cidade. Neste ano foram registradas ocorrências em áreas localizadas nos bairros Jardim Maitê, Jardim Monte Cristo e Vila Fátima. 

Suzano está com o Plano Verão 2022/2023, em vigência até março. O planejamento de contingência integrado envolve todos os setores da administração municipal e visa ampliar os trabalhos preventivos que já são realizados para conter eventos naturais, como deslizamentos, enchentes e alagamentos. 

Além disso, desde 2018, Suzano promove a criação de Núcleos Comunitários de Proteção de Defesa Civil (Nupdec). 

A formação prepara grupos de moradores para atuação emergencial em casos de eventualidades nas comunidades, como ocorrências naturais (alagamentos, deslizamentos, desmoronamentos etc), acidentes domésticos, ataques de animais peçonhentos, entre outras. 

Por meio da capacitação, os participantes se tornam aptos a acionar as autoridades, como Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, de maneira mais eficiente e detalhada, inclusive auxiliando os profissionais no atendimento inicial de vítimas.

A Defesa Civil está atenta e preparada para atender diariamente as ocorrências para as quais for chamada. 
O telefone de contato é (11) 4748-5394.

A Defesa Civil de Ferraz de Vasconcelos juntamente com o gabinete de crise estão fazendo avaliação das moradias afetadas. São contabilizados cerca de 26 áreas de risco na cidade. Sendo as mais graves a Vila Cristina e a Vila Jamil. Cerca de 30 casas localizadas na Vila Cristina apresentam risco iminente.

Outras cerca de 100 moradias passaram por avaliação essa semana, na Avenida dos Autonomistas, no mesmo bairro. Já na Vila Jamil, há ainda cerca de 20 moradias que foram afetadas por alagamentos. 

As áreas envolvem situações estruturais de solo, ocupação irregular e próxima a córregos. Por conta desse cenário, elas são mais impactadas com as chuvas.

A Prefeitura instituiu um abrigo provisório no bairro Maria Cecília, numa escola ainda sem previsão de funcionamento, que atende ao bairro da Vila Cristina. “O local já está à disposição da população, mas, até o momento não tem nenhuma família sendo assistida”. 

As equipes da administração alertam às famílias que em caso de risco de desabamento, ou chuvas intensas que elas procurem imediatamente o abrigo. 

Segundo a prefeitura de Mogi das Cruzes tem dois pontos com risco de alagamento - nas praças da Bandeira e Francisca de Campos Mello Freire (conhecida como Praça dos Enfartados) - existem sirenes que alertam a população sobre a possibilidade de subida das águas para que as pessoas possam adotar medidas de prevenção.

Em Mogi, são 28 áreas de risco. Pelo menos 12 com risco iminente atualmente são particulares e regularizadas. Elas são acompanhadas periodicamente pela Defesa Civil durante todo o ano e os moradores são orientados. 

O trabalho também é feito nas 14 áreas com risco de inundação, que ocorre quando há o risco de um curso d'água extravasar seu leito, e nos locais em que podem ocorrer alagamentos. “Nestes pontos, há o acúmulo de água momentâneo, que escoa pelos sistemas de drenagem quando a precipitação ameniza”.

Em caso de urgências e emergências, a população pode entrar em contato com a Defesa Civil pelo telefone 199.

Itaquaquecetuba monitora aproximadamente 30 áreas de risco, localizadas em vários pontos da cidade.
As áreas mais atingidas pelas chuvas são os bairros Vila Japão, Maria Augusta, Vila Bartira e Tipoia. “uma área só é considerada de risco após estudos realizados no local por um conjunto de profissionais que fazem a análise considerando a proximidade de rios, córregos, morros, encostas, tipificação de construção, entre outros fatores”. 

Na cidade existe a Comissão Permanente Multidisciplinar para Enfrentamento das Áreas de Risco composta por várias secretarias envolvidas diretamente no trato da situação, como Desenvolvimento Social, Segurança Urbana, Habitação, entre outras, que acompanham in loco a situação de acordo com cada área.

Para receber os alertas da Defesa Civil do Estado, a população deve enviar um SMS para 40199 com o CEP. 
Em situação de emergência, deve acionar o órgão pelo 199 ou o Corpo de Bombeiros pelo 193.

Poá tem 19 áreas de risco demarcadas, dentre elas com riscos suscetíveis a inundação/enchente e deslizamentos.

A Defesa Civil de Poá faz o monitoramento diário dessas áreas, visando a prevenção de deslizamentos, orientando as famílias como se comportar e o que fazer em caso de incidente. Esse monitoramento é feito durante todo o ano. “Neste começo de ano, a Defesa não registrou ocorrências nessas áreas, pois são sempre monitoradas.”

Para acionar a defesa civil da cidade é através do telefone 199.

Santa Isabel tem oito regiões com risco de deslizamento. Estão localizadas no Centro, Variante (Vila Guilherme), Cruzeiro, Lanifício e Parque São Benedito (antiga rua da feira). Áreas de escorregamento/solapamento são na Vila Nova, Eldorado e Nova Santa Isabel. A cidade ainda não registrou nenhum acidente grave.

Os canais oficiais para contato da Defesa Civil é 199; (11) 4656-1000 (Prefeitura de Santa Isabel) e (11) 9.5569-7622 (Ouvidoria).

Até o fechamento desta reportagem às demais prefeituras não se posicionaram.