terça 23 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Suzano

Prefeito Rodrigo Ashiuchi faz balanço de 6 meses e dá nota 7,5 para seu governo

Republicano fez balanço positivo dos seis primeiros meses à frente da Prefeitura de Suzano. Ele falou sobre projetos entregues e obras que serão retomadas

09 julho 2017 - 09h47Por Lucas Lima - De Suzano
O prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR) fez um balanço dos primeiros seis meses de mandato. Em sua avaliação, o seu governo merece nota 7,5. Depois de inaugurar creches, retomar obras e dizer que melhorou o atendimento nas unidades de saúde, o republicano afirmou que a cidade "começou a respirar passos para frente". Disse que, até o momento, foram economizados R$ 24 milhões e que está trabalhando firme para solucionar as questões da Arena Multiuso do Parque Municipal Max Feffer, da conclusão da Avenida Governador Mário Covas Junior, a Marginal do Una e da alça de acesso do Trecho Leste do Rodoanel Mário Covas (SP-21). 
 
Diário de Suzano: Ao completar seis meses de governo, qual a avaliação que o senhor faz?
Rodrigo Ashiuchi: Desde o primeiro dia que assumi a cidade, percebi que havia muitos desafios. Apesar da crise financeira do País e talvez uma das piores da história, avalio que Suzano caminhou para frente. Lógico que tem muitas coisas para serem feitas ainda, mas o município andou em inúmeros setores. Conseguimos algumas conquistas e andamentos importantes para o presente e para o futuro da cidade, que saiu da inércia. 
 
 
DS: O que foi possível fazer e o que não foi?
Ashiuchi: Fizemos muitas coisas que estão dentro do plano de governo. Diminuímos quantidade de crianças fora da escola e geramos 1,5 mil vagas nas unidades, retomamos obras essenciais, inauguramos duas escolas, coisa que não acontecia há muito tempo na cidade. Outro fator é a questão da saúde. Vemos que hoje ela é bem complexa, um sistema auxiliar como um todo. Então precisamos continuar melhorando. Para isso, temos por exemplo, o programa ProSuz. No Jardim Europa já tem horário estendido e outras unidades estão sendo reformadas para terem o mesmo desfecho. A Santa Casa, principalmente no PS (Pronto-Socorro), já vem melhorando. Passou por uma reforma muito grande, onde em seguida, vem registrando aumento no atendimento. Mais de 850 pessoas são atendidas por dia. O espaço conta também agora, com ortopedia, pequenas cirurgias, atendimento a mulher, entre outros. Além disso, haverá reforma no PS Infantil, inauguração de novas alas no Santa Maria e dois hospitais que estão para vir ao município. A saúde também será contemplada com o anexo do Hospital das Clínicas (HC), que será parceira da cidade e estamos trabalhando para retomar o grande sonho de ter um hospital federal aqui em Suzano. Em outros setores vamos acabar com problemas de décadas, como a Arena Multiuso do Max Feffer, a Marginal do Una e a Alça do Rodoanel. Temos pessoas comprometidas, secretários que gostam da cidade e fazem um bom trabalho, que reflete no andamento do município.
 
DS: Um dos grandes problemas, quando assumiu, era a quantidade de buracos nas ruas. A Operação Tapa-Buracos solucionou parte dele?
Ashiuchi: A ação vem solucionando. Fazemos com asfalto quente nas principais vias da cidade e logo estaremos em todas as ruas dos bairros. Por enquanto, estamos priorizando os corredores dos ônibus. Vale ressaltar também que estamos retomando a usina de asfalto frio no município. Até o momento, tapamos mais de 3,5 mil buracos. 
 
DS: O senhor confia que as obras da Marginal do Una vão sair do papel, após liberação de recursos de R$ 12 milhões pela Caixa Econômica Federal (CEF)?
Ashiuchi: Estive pessoalmente em Brasília para acelerar o processo dentro do Ministério das Cidades. Fiz uma reunião com a vice e o presidente da CEF e os cobramos junto com apoio do deputado federal Márcio Alvino (PR) e do deputado estadual André do Prado (PR) para que cobrem o Ministério das Cidades, com a publicação do edital. Isso nos ajuda a continuar com o processo e sair mais rápido a liberação do dinheiro. Infelizmente, esses processos demoram.
 
DS: Em meio à crise financeira, quais são as providências adotadas e os resultados alcançados em relação à economia de gastos?
Ashiuchi: Já economizamos muita coisa na cidade. Pegamos uma cidade muito endividada. Nos primeiros seis meses foram economizados quase R$ 24 milhões. Trabalho com o orçamento que me deixaram, o qual infelizmente não contemplou uniforme e material escolar, que vamos resolver. 
 
DS: Há creches e escolas previstas para serem inauguradas?
Ashiuchi: Retomamos as obras da creche no Miguel Badra e em mais três escolas para serem construídas. Uma delas é no Parque Maria Helena, onde foi destruída. Inclusive, arrumando o Complexo Mirambava para não ser só de funcionários da Educação, mas também de todas as secretarias.
 
DS: Na saúde, existe a grande expectativa da inauguração do Hospital Estadual. O senhor acredita que será uma solução importante?
Ashiuchi: Não vai solucionar, mas vai ajudar muito. Principalmente se entrarmos em entendimento junto com a direção do Hospital das Clínicas e o governo do Estado, para que a grande parte dos exames que sejam feitos na unidade tenham prioridade para os moradores de Suzano e região.
 
DS: O senhor, no começo do mês passado, revelou que havia iniciado conversa com empresas para trazer dois novos hospitais para a cidade. Como estão as conversações? 
Ashiuchi: Estão bem adiantadas. Tem um hospital particular ali na região do Monte Cristo, que tem ênfase em pediatria infantil. Há também a expansão do Santa Maria, que terá novas salas de cirurgia, além de um novo hospital que virá para a cidade. Em breve devem ficar sabendo. Uma soma da rede particular com a rede pública conveniada alivia todo mundo.
 
DS: Durante esses seis meses o que mais chamou atenção na administração da Prefeitura? Em São Paulo, o prefeito João Doria reclama da burocracia, que ele não esperava que fosse tanta. E em Suzano, o que atrapalha mais o desenvolvimento da cidade?
Ashiuchi: Venho da iniciativa privada. Então a minha visão muitas vezes é diferente do Poder Público, mas já vejo uma grande mudança. Conseguimos de certa forma motivar os funcionários, que estão trabalhando com afinco e muita seriedade. Não sou melhor do que ninguém. Estou aqui para somar. Sou mais um funcionário público dentre os 5 mil para fazer a cidade melhor. A força de vontade de todos até mesmo da população em querer mudar a nossa "casa" é o que tem feito a diferença. Apesar das dificuldades, acho que conquistamos várias coisas. Estamos com os vereadores unidos, com boa força de vontade de todos os secretários. O que atrapalha é a questão financeira. Tem que ter criatividade. Mesmo se faltar dinheiro, não pode faltar trabalho. Vim da iniciativa privada como o Doria, mas sou imediatista, quero que aconteça rápido, sei que no público não é assim, mas vou aprendendo e acelerando o que der.
 
DS: Qual nota o senhor dá para esses seis meses de mandato?
Ashiuchi: Posso dizer que de exame não ficamos. Acho que 7,5 ou 8 mereço. Dez só se eu marcar de letra. Mas o 7,5 estamos merecendo. Não é fácil ser prefeito. O que melhoramos e que vamos continuar evoluindo é a zeladoria. Fui o prefeito que mais cortou (mato) na Marginal do Una até o período, cortei três vezes. 

Deixe seu Comentário

Leia Também