segunda 26 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Centros de Detenção Provisória têm menos presos que a capacidade

Levantamento aponta para mais de mil homens que aguardam julgamento de seus crimes nas duas unidades

24 março 2023 - 07h00Por de Suzano
Os Centro de Detenção Provisória (CDP) de Mogi das Cruzes e Suzano conseguiram alcançar ‘fato raro’ com a lotação menor que a capacidade. As duas unidades foram inauguradas em 2002 e 2003m, respectivamente, e praticamente não haviam conseguido uma quantidade de detentos menor que o total de vagas.
 
Ontem, o Governo do Estado informou que os dois CDPs atingiram 92% da capacidade. No total, são 1.537 homens que aguardam julgamento de seus crimes nas duas unidades, com espaço para 1.673. 
 
A Secretaria da Administração Penitenciária atualiza os dados diariamente no site da pasta do Estado de São Paulo. 
 
Entre os dois locais, o CDP de Mogi tem capacidade para receber 838 presos e chegou a 714 pessoas no último dia 22 de março. 
 
No CDP de Suzano pode-se receber até 835 presos e atingiu 823. A última atualização foi nesta quinta-feira (23). 
 
Dentro desses centros de detenção tem a Ala de Progressão Penitenciária, um setor destinado a presos que cumprem pena no regime semiaberto e que prestam serviços na própria unidade, como limpeza, manutenção e conservação. Nesse caso, as celas ficam separadas dos presos do regime fechado.
 
Esta Ala de Progressão tem espaço para seis presos em Mogi e chegou a três; e em Suzano, pode receber até nove presos, com quatro pessoas nas celas. 
 
CDPs
 
Os dois Centros de Detenção Provisória foram inaugurados nos anos 2000. 
 
Em Suzano, foi em 2003. Na época era a 20ª unidade específica para abrigar os presos que aguardam julgamento e fazia parte do projeto de extinção das cadeias públicas e distritos policiais do Estado.
 
Na inauguração tinha capacidade para 768 vagas, detector de metais, alarme e sistema de CFTV com câmeras. Foram investidos de R$ 8.246.247,00 na obra.
 
O Governo de São Paulo havia prometido desativar, até o final de 2004, todos os distritos policiais da Capital e seus presos, que estavam sob a responsabilidade da Secretaria da Segurança Pública passaram, na época, para a Secretaria da Administração Penitenciária que tinha 110 unidades e 86.823 presos. Ao todo, no Estado de São Paulo há 113.804, portanto 26.981 com a SSP.