quarta 21 de fevereiro de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/02/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Chuvas: agricultores temem perdas de até 40% e preços podem subir

"Para o próximo ano o setor rural deve ter consumo maior e preço melhor no mercado", diz Sindicato Rural

10 dezembro 2022 - 10h00Por Guynever Maropo - de Suzano
As fortes chuvas podem prejudicar a produção rural de Suzano. Há temor de perdas de até 40%. É o que diz o agricultor Alberto Bispo. Ele teve perdas da produção agrícola nas últimas semanas. Com isso, os campos ficaram quase 15 dias sem plantio e quem paga a consequência são os consumidores.
 
Segundo o Sindicato Rural, o volume de chuvas da última semana está dentro da expectativa neste período. Para o próximo ano o setor rural deve ter um consumo maior com preço melhor no mercado. 
 
De acordo com o agricultor, a chuva impediu a continuação do trabalho nos canteiros e destruiu as hortaliças que estavam prontas para colher. Bispo retoma a produção nas próximas semanas se o tempo estiver estável. Como o produtor revende para quitandas e feirantes de Suzano, os consumidores em breve vão sentir falta no mercado.
 
"É um ciclo. Se o plantio é prejudicado pela chuva quem paga é o consumidor que fica sem. Outros produtores também perderam com as chuvas. Quando a demanda é menor do que a compra o preço sobe”, conta.
 
Nessas semanas, ele fez limpezas nos córregos que beiram as plantações para evitar alagamento nos plantios que está retomando. “Evita que na próxima chuva o rio transborde. A chuva destruiu as hortaliças que estavam para colher. A água cobriu e estragou. O prejuízo maior é manter o canteiro parado”, disse Bispo.
 
Sindicato Rural
 
O Sindicato Rural orientou os produtores rurais a acompanhar o preço do mercado diariamente e praticar a “lei da oferta e procura”. O produtor rural já sabe qual a melhor forma de produzir durante o período chuvoso.
 
“Muitos produtores já praticam cultivo protegido, para minimizar perdas, e ter o controle melhor dos gastos. São práticas como estufas, telados, mulching (plástico ou cobertura vegetal morta), entre outros”, explica o presidente do sindicato, Ricardo Sato Suchiya.
 
Em caso de perda de lavoura, o sindicato oferece o seguro de safra. Mas o presidente diz que grande parte dos agricultores não fazem o pedido e optam em recuperar o plantio imediatamente.
 
Com o volume das chuvas dentro do esperado para o período, o produtor espera um aumento no consumo das folhosas na temporada do calor.
 
“A chuva diminui a qualidade das hortaliças, mas o produtor é recompensado pela oferta estável e a demanda em alta na temporada de calor. A expectativa para o próximo ano é de consumo melhor e preços de adubos acessível para o produtor.