domingo 14 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Cidades sofrem problemas com crack; em 3 questão é de alto risco

30 maio 2017 - 08h01

As dez cidades da região enfrentam problemas com usuários de crack. A afirmação é feita por meio do Mapa do Crack, divulgado em um observatório, gerenciado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM). O levantamento aponta que Mogi das Cruzes, Poá e Santa Isabel tem nível considerado crítico. O assunto ganhou força nos últimos dias por conta das ações realizadas, pelo Estado e pela Prefeitura de São Paulo, na Cracolândia. A CNM faz a classificação das cidades em cinco níveis: alto, médio, baixo, sem resposta e sem problemas. Dos dez municípios do Alto Tietê, três foram considerados com cenário crítico, ou seja, classificado em nível alto; seis, no médio; e somente um no baixo. Entre as cidades que enfrentam um cenário mediano dos problemas estão: Arujá, Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Salesópolis e Suzano. Somente Guararema foi classificada no índice baixo. UNIDADES DE ATENDIMENTO O levantamento aponta também que as cidades tem poucas unidades próprias para atendimento ao usuário de droga. Segundo a CNM, Poá tem três locais: Centro de Atenção Psicossocial (Caps), Conselho Tutelar e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Além da cidade poaense, Biritiba Mirim (com duas unidades), Guararema (com dois locais) e Mogi (com um Nasf) declararam ter atendimento especializado. Apesar de algumas cidades não constarem no levantamento há unidades (como o Caps e o Centro de Referência Especializado de Assistência Social - Creas) que atendem usuários de drogas. NACIONAL Em todo o País, de um total de 5.568 municípios observados, 2.018 possuem índice médio de preocupação com o consumo de crack. Com índice alto estão 1.154 municípios, entre eles, Atibaia, São Carlos, Eldorado e Novo Horizonte. Além disso, 1,2 mil cidades possuem nível baixo, 945 não responderam ao questionamento da CNM e 252 não possui problemas que envolvem o crack. OBSERVATÓRIO O Observatório do Crack tem a finalidade de captar e manter informações atualizadas por município sobre a situação real da circulação e consumo de drogas, bem como sobre as políticas locais de enfrentamento ao crack e outras drogas, as estruturas assistenciais, os programas, entre outros.

Deixe seu Comentário

Leia Também