segunda 27 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 26/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Rio Tietê

Desassoreamento avança no Rio Tietê com retirada de 32 mil m³ de resíduos

DAEE fechou o primeiro balanço trimestral das atividades, iniciadas em dezembro do ano passado

30 abril 2024 - 20h00Por De Suzano

A Secretaria Municipal de Manutenção e Serviços Urbanos recebeu do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE) do Estado de São Paulo o primeiro balanço de atividades referentes aos serviços de desassoreamento que estão sendo realizados na parte do rio Tietê que corta Suzano. Entre 19 de dezembro do ano passado, quando as intervenções foram iniciadas, até 31 de março deste ano, o volume de resíduos retirados nos três trechos contemplados alcançou 32.244 metros cúbicos (m³). Até meados de 2026, as ações devem retirar um total de 945 mil m³.

O Lote 1 compreende o trecho situado entre o córrego Três Pontes até o limite com Itaquaquecetuba e Poá, de 16 quilômetros, onde foi retirado 11.851 m³ de resíduos de um total de 350 mil m³ projetados para 30 meses. No Lote 2, que abrange o trecho de 14,9 quilômetros entre Itaquaquecetuba e a foz do Ribeirão Taiaçupeba-Mirim, em Suzano, houve a retirada de 10.760 m³ de resíduos, de um total de 315 mil m³ estimado até 2026. Já no Lote 3, que fica entre o Ribeirão Taiaçupeba-Mirim e a  foz do Córrego Ipiranga, em Mogi das Cruzes, ocupando 13,3 quilômetros, foi proporcionada a retirada de 9.633 m³ de resíduos, de um total previsto de 280 mil m³.

Entre os equipamentos que estão sendo utilizados para as intervenções, o DAEE esclareceu que está contando com apoio de uma barcaça, neste momento localizada na altura do bairro Cidade Miguel Badra, num trecho com plantas aquáticas chamadas de macrófitas. O equipamento embarcado está retirando sedimentos do fundo do rio, carregando na barcaça e posteriormente descarregando na margem, de onde são levados para a destinação final. Paralelamente está sendo feita a montagem de um segundo conjunto, que entrou em testes nos últimos dias, com previsão de operação a partir da semana que vem.

O secretário Samuel Oliveira pontuou que os serviços no Tietê melhorarão substancialmente a sua capacidade de suportar o volume de água provocado pela ocorrência de chuvas fortes. “Estamos acompanhando de perto cada etapa referente ao desassoreamento do rio, pois sabemos o quanto isso impacta positivamente na resiliência da cidade. Seguiremos próximos do DAEE nesse trabalho contínuo, que garantirá mais tranquilidade para os moradores”, esclareceu o titular da pasta.

Outros rios

A Prefeitura de Suzano também está realizando tratativas junto ao DAEE para viabilizar, por meio do programa “Rios Vivos”, serviços relacionados à limpeza de outros corpos d’água. Em 5 de março, técnicos da autarquia estadual estiveram na cidade para vistoriar trechos dos rios Jaguari e Guaió para entender de que forma poderiam ser implementadas ações, além do Rio Taiaçupeba, para o qual também foram solicitadas intervenções.

Na oportunidade, o DAEE informou que a administração municipal poderia realizar as demandas para um trecho de aproximadamente três quilômetros, somados os serviços nos rios citados. Por isso, foi discutida a possibilidade de garantir ações em aproximadamente um quilômetro de cada rio.

No Jaguari, a proposta é garantir o desassoreamento ao longo da estrada Mário Covas, no Miguel Badra, começando pela entrada do município e finalizando um quilômetro acima, no sentido de Itaquaquecetuba. No Guaió, os serviços indicados podem ser implementados entre o rio Tietê, na altura da Vila Maria de Maggi, e a avenida Major Pinheiro Fróes (SP-66), embaixo do Trecho-Leste do Rodoanel Mário Covas (SP-21). A parte a ser contemplada para limpeza do rio Taiaçupeba deverá ser definida posteriormente.

Conforme foi demonstrado, os resíduos acumulados no fundo do Jaguari evitaria o impacto das chuvas na região norte, e, no caso do Guaió, preservaria os bairros Jardim Quaresmeira, Jardim Monte Cristo e Jardim Suzanópolis, na região do centro expandido. No Taiaçupeba, por exemplo, ações de desassoreamento entre o trecho do rio Tietê até a represa de Taiaçupeba diminuiria a chance de transbordamento para o Jardim Maitê e demais localidades do entorno.

Oliveira frisou que os serviços nestes rios, assim como está sendo feito no Tietê, integrarão o conjunto de ações destinadas à prevenção do transbordamento em caso de fortes chuvas. “Cada serviço executado diminui os problemas nos bairros que ficam no entorno desses rios. Por isso, buscamos junto ao DAEE ações que possam abarcar o maior número possível de localidades, de forma a preservar a qualidade de vida dos munícipes”, avaliou.