quinta 13 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 13/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Escola Raul Brasil atrai pessoas de outras regiões de São Paulo

Local foi alvo de atiradores no último dia 13, quando oito pessoas foram assassinadas a tiros e golpes de machadinha

23 março 2019 - 13h30Por Dennis Maciel - de Suzano
A Escola Raul Brasil, em Suzano, atrai pessoas de outras regiões do Estado. Elas prestam homenagens às vítimas do massacre ocorrido no último dia 13.Em meio ao cenário desolador, muitas pessoas emocionadas observam as milhares de homenagens estampadas pelos muros e calçadas na parte externa do prédio.
 
Há pessoas de longe vindo para prestar apoio às pessoas que apareciam no local. Antônio da Paz, 54, veio de São Roque, interior de São Paulo, para ficar como voluntário em frente à escola, organizando o local. Ele conta como tem sido a experiência. "Estou aqui há quatro dias".
 
Ele conta que ficou chocado com o caso, e que não é a primeira vez que ele se prontifica a fazer algo parecido. "Estive na queda do prédio no Largo do Paissandu, ajudando as pessoas lá também", conta.
Mesmo com um número menor de pessoas prestando homenagens, havia gente que não tinham qualquer ligação com as vítimas e que compareceram ao local. É o caso de Gilvania dos Santos, 48, costureira. Ela veio de Itaquá para observar o local e fazer homenagens.
 
"É triste, sensação de insegurança. Tenho uma filha com 22 anos que já esteve em uma escola como essa", contou com os olhos cheios de lágrimas.
 
Ela afirma que ela e o esposo são atendidos com frequência no Hospital Santa Maria, que fica próximo à escola e foi o local para onde várias crianças se dirigiram após o ataque. Gilvania conta que o esposo estava no hospital no momento em que as crianças chegaram ao local. "Ele chegou a ajudar uma mulher, e viu crianças chegando ensanguentadas."
 
Vanda Santos, 35, é estudante universitária. Ela afirma ter medo de casos como esse acontecerem novamente.

Deixe seu Comentário

Leia Também