sábado 22 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Suzano

Expediente fica suspenso no feriado, mas serviços essenciais continuam

Atendimentos emergenciais em saúde e segurança não serão interrompidos; em 9 de julho (terça-feira) é celebrada a Revolução Constitucionalista de 1932

04 julho 2019 - 17h18Por de Suzano

O expediente da Prefeitura de Suzano ficará suspenso durante o ponto facultativo decretado na próxima segunda-feira (8) e o feriado estadual da Revolução Constitucionalista de 1932, em 9 de julho (terça-feira). No entanto, não haverá mudanças na prestação de serviços essenciais, nas áreas de saúde, segurança e limpeza urbana. O atendimento em todas as repartições públicas municipais será retomado na quarta-feira seguinte (10).

Os Prontos-Socorros Municipais (PS) Adulto e Infantil, anexos à Santa Casa de Misericórdia de Suzano, e o Pronto Atendimento (PA) do distrito de Palmeiras não terão interrupção. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que pode ser chamado pelo número 192, seguirá funcionando 24 horas por dia.

Da mesma forma, a Guarda Civil Municipal (GCM) estará à disposição no feriado prolongado. A corporação atende pelo telefone (11) 4745-2150, mesmo número pelo qual é possível acionar a Defesa Civil. Coleta de lixo, varrição de rua, velório e cemitérios também continuam normalmente.

No dia 9 de julho, o Parque Municipal Max Feffer será tanto opção de lazer como também de serviços. O local receberá neste dia a Festa das Águas, organizado pela Igreja Cristã Mundial e com apoio da Prefeitura de Suzano. Além das ações sociais e atrações do evento, na oportunidade, haverá tendas da Secretaria Municipal de Saúde para vacinação contra sarampo e febre amarela, testes rápidos de HIV e hepatites e orientações sobre higiene bucal.

História

O feriado de 9 de julho foi instituído pelo governo do Estado de São Paulo em 1997 e refere-se à data em que eclodiu a Revolução Constitucionalista, em 1932, quando os paulistas pegaram em armas contra a ditadura do presidente Getúlio Vargas, que havia tomado o poder por meio de um golpe militar dois anos antes, anulado a Constituição Federal, dissolvido o Congresso Nacional e nomeado interventores estaduais. Os conflitos duraram quase três meses. Apesar da derrota nas trincheiras, São Paulo e aliados obtiveram vitória em 1934, com a promulgação de uma nova Constituição.

Deixe seu Comentário

Leia Também