domingo 14 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Namorados enfrentam desafios e mais de 2 mil km de distância

11 junho 2017 - 08h00

Por uma câmera de computador ou por uma mensagem de celular, casais da região que namoram à distância fazem mais de 2.282 quilômetros não serem barreira para um relacionamento. O DS conversou com três casais que enfrentaram dificuldades no início do namoro, mas que hoje, afirmaram terem feito a escolha certa, uma vez que a decisão de namorar à distância exige confiança, amadurecimento e principalmente acreditar no amor verdadeiro. Esse é o caso do suzanense e estudante de engenharia elétrica da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Guaratinguetá, Victor Kenichi Nascimento Kobayashi, de 20 anos, com a mogiana e também estudante de engenharia, Geovana Perino Corona, de 20 anos. Eles estão juntos há quatro anos e sete meses. Se conheceram quando estavam no 1º ano do Ensino Médio, em 2012. Na ocasião, ele estudava em uma escola de Suzano, onde Geovana se matriculou e estudou na mesma sala. O primeiro beijo do casal aconteceu ainda na época de escola, em uma festa entre amigos. "Foi algo que jamais esquecerei", disse Kobayashi. Depois de três anos, ambos ingressaram na faculdade e tiveram que se "separar". Ele passou na Unesp de Guaratinguetá e ela na Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). "No começo foi difícil, mas com o tempo fomos nos adaptando com as mudanças e hoje em dia é uma rotina que vivemos tranquilo", afirmou Kobayashi, que também comentou ter pensado, em um momento, de desistir do relacionamento. "Houve uma fase que nada parecia dar certo e havia muitas brigas desnecessárias". Ele fala ainda do desafio de namorar à distância. "Consiste em uma relação de confiança entre o casal. No nosso caso, depois que distanciamos, o relacionamento amadureceu e tornou-se muito mais consistente porque tivemos de superar muitas dificuldades para continuarmos juntos. Preferia namorar pessoalmente. No entanto, acho deve haver certa ponderação no contato pessoalmente", ressalta. Outra história de amor à distância é da professora de dança mogiana, Nicole Almeida dos Santos, de 22 anos, com Arthur Victor Costa, da mesma idade. Ele mora em Maranhão. Namoram há cinco meses. O amor do casal se iniciou em uma igreja, onde Nicole frequenta e que Costa, por estar de férias da faculdade, foi até o local, quando passava alguns dias na casa da tia em Mogi. Depois do culto, amigos chamaram ambos para sair para comer. Foi quando se conheceram. Dois dias antes de ele voltar para a cidade natal, convidou ela para passear na Avenida Paulista, em São Paulo. Na ocasião, Costa falou que gostaria de orar por eles no propósito de namorar, noivar e casar. Nicole aceitou e começaram a orar um pelo outro entre São Paulo e a região Nordeste do País. Ela comentou que acredita no amor dos dois por meio da religião. "De longe, começamos a conversar melhor. O pastor da minha igreja e a minha mãe oraram por nós e o pastor da igreja dele também. Um ano depois, ela foi para o Maranhão, em visita a casa de parentes. Lá, encontrei Arthur, que me pediu em namoro e desde então tinha certeza que ele seria o par ideal. Em seguida, ele veio até São Paulo conhecer a minha família e continuamos orando um pelo outro de longe", enfatizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também