sábado 15 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 15/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Suzano

OAB organiza audiência para debater violência nas escolas

Evento deve acontecer no próximo dia 28, das 13h30 às 18 horas, no Teatro Armando de Ré

23 março 2019 - 00h04Por Daniel Marques - de Suzano
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Suzano está organizando uma audiência pública convocando para debate professores, autoridades e moradores de Suzano e região para buscar formas de reduzir a violência após o massacre no Raul Brasil, ocorrido na semana passada.
 
O evento deve acontecer no próximo dia 28, das 13h30 às 18 horas no Teatro Armando de Ré. 
O principal objetivo da ideia é evitar que casos como o do massacre se repitam. Todas as comissões da Ordem dos Advogados do Brasil participam do projeto, inclusive a seccional paulista.
 
"Já contatamos várias autoridades para o debate. Queremos que a população compareça também. Vamos pegar as ideias e criar uma audiência pública para usá-las em um futuro próximo", disse Wellington da Silva Santos, presidente da OAB de Suzano. 
 
Na última quarta-feira, (20), um plantão foi montado na OAB da cidade, com advogados e psicólogos presentes para prestar suporte jurídico e psicológico às famílias. As pessoas foram orientadas sobre as medidas judiciais que poderão ser adotadas no caso.
 
"Desde o começo, a Comissão de infância e juventude e a Comissão dos Direitos humanos estão acompanhando o caso. O mais importante agora é acolher as famílias. Não adianta fazer palestras sobre conscientização, temos que prestar suporte àqueles que perderam entes queridos ou ficaram traumatizados com a tragédia", contou.
 
Uma ideia de implantar palestras para combate ao bullying está sendo estudada pela OAB, porém, será estudada em um segundo momento.
 
Segundo Wellington, as medidas anunciadas pela Prefeitura para aumentar a segurança das escolas não resolverão o problema da violência. "É uma opinião minha. Colocar policiais e detectores de metais não vai adiantar, fica um ambiente prisional."
 
Ele acredita que os professores podem receber suporte para administrar situações. "É claro que precisamos de uma ação imediata, mas isso tem que ser conversado. Os professores têm que se armar com livros, giz e lousa. A educação é a melhor arma", finalizou.