terça 18 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Para desabafar

Para superar tragédia no Raul Brasil, alunos criam grupos de apoio no WhatsApp

Apenas no período da manhã, pelo menos 266 alunos compareceram na escola

26 março 2019 - 21h44Por Dennis Maciel - de Suzano
A Escola Raul Brasil reabriu suas portas para os alunos realizarem atividades recreativas. Eles participaram de dinâmicas, exibição de filmes e apresentações musicais. Muitos estudantes se emocionaram ao retornar ao local pela primeira vez após o atentado. Para superar a dor, alunos contam que criaram grupos de apoio no WhatsApp para desabafar sobre o caso.
 
Apenas no período da manhã, pelo menos 266 alunos compareceram na escola. As atividades já vinham sendo preparadas desde a semana passada. De acordo com a Secretaria de Educação do Estado, cerca de 50 professores e funcionários estiveram na escola aperfeiçoando as atividades e os materiais que já estão sendo preparados para os alunos.
 
A aluna Giovanna Alencar Alves, que estava na escola durante o atentado, diz que retornar à escola não foi nada fácil. Ela explica que os alunos criaram grupos no WhatsApp para conversar e discutir maneiras de superar este trauma. "Na hora que o atirador entrou eu estava na secretaria, me apavorei e me escondi no banheiro. A dor é muito forte, por isso nós criamos o grupo no WhatsApp, para conversar e desabafar sobre nossos problemas", conta.
 
O estudante Rafael Pedro, de 15 anos, conta que durante a acolhida os alunos que estavam abalados participaram de rodas de conversas e receberam o apoio dos professores. "Depois do intervalo assistimos a uma apresentação de música na quadra. Foi muito emocionante. Estamos abatidos, não vamos conseguir esquecer o que aconteceu, mas temos que continuar nossas vidas", afirma.
 
Para Samanta Oliveira, de 17 anos, atividades como esta são fundamentais para que os alunos superem o trauma. "Estamos muito inseguros. Retornar foi difícil. Qualquer barulho que escutamos já nos assusta. Estas atividades ajudam a confortar nosso coração, mas a dor ainda é muito grande", lamenta. 
 
Psicólogos continuam na escola para atendimentos individuais e coletivos. Os acolhimentos de saúde mental serão oferecidos em todas as Unidades Básicas de Saúde e nos 4 CAPS. Está em tramitação convênio da Secretaria Estadual de Educação - SEE e a Secretaria Municipal de Saúde de Suzano para reforçar o atendimento psicossocial.