segunda 17 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 16/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Pelas redes sociais, professores manifestam medo e insegurança

Secretaria de Educação do Estado divulgou no domingo, nas redes sociais, o comunicado da reabertura da instituição

18 março 2019 - 20h08Por Aline Moreira - de Suzano
O massacre na Escola Estadual (E.E) Profº Raul Brasil tem deixando professores da instituição temerosos com a volta às aulas. Até o momento, a direção da escola não determinou uma data para o retorno das atividades escolares.
 
A unidade foi reaberta nesta segunda-feira (18) para o acolhimento de professores e funcionários. Segundo a Secretaria da Educação do Estado, 30 professores e dez funcionários participaram do acolhimento de forma voluntária. 
 
A pasta de Educação divulgou na tarde desse domingo (17), nas redes sociais, o comunicado da reabertura da instituição. Rapidamente, a ação foi comentada por professores do ensino estadual, que argumentam falta de solidariedade com as vítimas e feridos da tragédia, em abrir a escola aos estudantes e profissionais apenas cinco dias após o ocorrido. 
 
Entre os professores que comentaram a agenda do Estado, está a professora Jussara Melo. Ela foi uma das heroínas que conseguiu salvar aproximadamente 27 alunos, trancando-os dentro da sala de aula. "Passei momentos de terror ali que jamais esquecerei", lembra. 
 
Ela é professora de línguas e no momento do tiroteio, estava lecionando no Centro de Estudos de Línguas (CEL), que fica na parte de trás da escola. No momento do desespero, Jussara se trancou dentro da sala com os alunos, apagou as luzes e aguardou o fim do pesadelo. "Eu ainda me lembro dele (atirador) passando pela janela e olhando pra ver se tinha alguém na sala", diz. 
 
Por conta dos momentos de horror, Jussara informou que não quer mais lecionar na instituição. Para ela, o local se tornou insustentável. "Eu não quero mais entrar na escola em que vi tantas vidas sendo ceifadas. Não agora! Minha segunda casa foi invadida. Eu e meus alunos não morremos por um triz".
 
Ela ainda fez um pedido ao Estado, pedindo para que respeitem o luto dos familiares. "Sejam mais humanos. Sonhos foram perdidos naquele dia".