quinta 23 de maio de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/05/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
História

Pesquisa aponta registros sobre existência da comunidade do Baruel no século XVII

Documento raro, original de 1687, prova que a Capela de Nossa Senhora da Piedade já existia naquele ano

04 maio 2024 - 19h00Por De Suzano

No último dia 28 de março, durante reunião do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural (Compac) que definiu pelo tombamento da primeira sede da Prefeitura de Suzano, dois pesquisadores da cidade, Aurélio Fontes e Nádia Fontes, apresentaram registros que demonstram o valor de um outro patrimônio do município: a comunidade do Baruel, por conta de novas evidências da existência da Capela Nossa Senhora Piedade, a Capela do Baruel, no século XVII.

Esses documentos se integram a outros materiais de que já se tinha acesso em relação à comunidade do Baruel, com o objetivo de dar suporte para que o Compac possa avançar nos estudos que comprovem a importância do tombamento da capela, valorizando ainda outros elementos históricos relacionados à presença dessa edificação. Os novos indícios surgiram depois de estudos de documentos do Arquivo Histórico Ultramarino de Portugal e de trabalhos de historiadores como Glória Kok e John Monteiro, que se aprofundaram na antiga São Paulo, no período compreendido entre os séculos XVII e XVIII.

Diferentemente do que se tinha como senso comum, o início da história do Baruel esteve mais ligado à Vila de São Paulo e só posteriormente passou a ser bairro da Vila de Mogi das Cruzes, o que explica as dificuldades em se encontrar registros mais detalhados sobre essa localidade nos arquivos históricos de Mogi.

Mas, seguindo os indícios desses autores, Aurélio Fontes teve acesso a um documento raro, original de 1687, que prova que a capela já existia naquele ano e que seu padroeiro era o padre Francisco Baruel. Ele foi pessoalmente ao Rio de Janeiro encontrar o documento: trata-se de um relatório de uma “Visita Pastoral” que está no Arquivo da Curia Metropolitana do Rio de Janeiro, trazendo importantes informações sobre a Capela do Baruel. Uma cópia do documento está sendo entregue ao Compac.

Uma outra constatação proporcionada pelas pesquisas é de que a comunidade do Baruel, até o século XVIII, era uma fazenda e não um bairro, como também se acreditava até então. Um documento de 1772, obtido junto ao arquivo de Portugal, fala sobre a Fazenda do Senhor Bom Jesus do Baruel e traz a quantidade de casas, relação de moradores e até seus rendimentos. O aprofundamento da história vivida nessa fazenda e seu entorno indica que, em séculos anteriores, havia exploração de ouro, a presença de indígenas e negros escravizados.

Provas

O pesquisador, que atua no polo de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), revelou que sua ligação com a comunidade do Baruel contribuiu para seu desejo de demonstrar o valor histórico da localidade. “Eu nasci ali e sempre tive vontade de recontar as histórias que ainda precisavam ser esclarecidas em relação ao desenvolvimento da sociedade suzanense”, explicou Aurélio Fontes.

Para a arquiteta e pesquisadora Nádia Fontes, os detalhes de informações dos novos documentos são as provas que faltavam sobre uma hipótese que há muitos anos ela e o arquiteto e historiador mogiano Miguel Baida vinham perseguindo. “Se trata de uma aquarela do ano de 1827 intitulada ‘Mogi das Cruzes’, do célebre pintor Jean-Baptiste Debret, que integrou a Missão Artística Francesa no Brasil, é o retrato da comunidade de Baruel no século XIX, antes de a capela ser reformada”, explicou a pesquisadora.

A diretora de Patrimônio Histórico da prefeitura, Rita Paiva, frisou que a comunidade do Baruel é um símbolo da identidade do município. “Quanto mais descobrimos detalhes sobre o que se passava no entorno da Capela do Baruel, mais sabemos sobre a história de Suzano. Cada novo registro é muito valioso para a elucidação dos fatos que contribuíram com nossa formação, por isso, estamos dando todo o apoio para esse trabalho”, declarou ela.

O secretário municipal de Cultura, José Luiz Spitti, destacou a importância desses novos registros históricos para a cidade. “Essas evidências demonstram a relevância de Suzano no contexto regional. A comunidade do Baruel é um patrimônio do município, que é ainda mais valorizado com os documentos a que temos tido acesso. Foi uma apresentação incrivelmente reveladora dos nossos pesquisadores, que contribui imensamente com o setor cultural da cidade”, ressaltou o titular da pasta.

Deixe seu Comentário

Leia Também