Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 11 de Dezembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 10/12/2017
mrv

Promotora diz que Disque-Denúncia em uniformes pode expor crianças

Ela acredita que a proposta, aprovada por unanimidade na Câmara, poderia ser realizada de outras formas

Por Lucas Lima - De Suzano10 OUT 2017 - 08h20
FÓRUM - Promotora comentou que uniforme não seria um produto adequado para fazer esta iniciativaFoto: Arquivo/DS
A promotora da Infância e Juventude de Suzano, Carolina Rodriguez de Mendoza Lotfi, disse que o projeto de lei municipal nº 021/2017, que prevê a divulgação do "Disque-Denúncia contra a pedofilia" nos uniformes escolares dos alunos matriculados na rede pública do município, pode expor as crianças. Ela acredita que a proposta, aprovada por unanimidade na Câmara Municipal, de autoria do vereador Alceu Matias Cardoso (PRB), o Pastor Alceu Cardoso, poderia ser realizada de outras formas.
 
Segundo Carolina, qualquer forma de exposição da criança não é válida. "De modo superficial ao que foi apresentada sobre o projeto, a palavra pedofilia é pesada e não seria bom expor ela em crianças por meio do uniforme escolar. Não sei se seria a melhor forma de divulgar uma ação preventiva em um ambiente da escola ou para denunciar o crime. Chamada na televisão ou outras formas seriam uma melhor opção", explicou.
 
Ela ainda comentou que um uniforme não seria um produto adequado para fazer uma iniciativa como esta. "Disque-Denúncia todos sabem que é o disque 100. Pedofilia no uniforme não sei se seria positivo. É uma roupa, não é uma propaganda ou instrumento de divulgação. Não sabia que esse projeto estaria sendo votado, mas não somos nenhum órgão que possa coibir uma proposta legislativa. Mas se for aprovado, deveria ser uma maneira sem expor os estudantes", completou a promotora.
 
Sanção ou veto
A Câmara de Suzano informou que depois de ser aprovado, o projeto será enviado ao prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR) para que possa sancionar ou vetar a propositura. Caso ele vete, o projeto retornará à Casa de Leis e os vereadores votam pela manutenção ou derrubam o voto. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias