sexta 01 de março de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 01/03/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Região tem 3,6 milhões de usuários de 12 estações das linhas 11 e 12

Levantamento analisa o número de passageiros nas 12 estações que cortam a região, em janeiro

12 março 2023 - 13h00Por Ingrid Leone e Guynever Maropo - de Suzano
Pelo menos 3,6 milhões de passageiros utilizam as 12 estações das linhas 11-Coral e 12-Safira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) que circulam na região.
 
O DS fez o levantamento do total de passageiros que embarcou nas 12 estações do Alto Tietê e atravessou as catracas em janeiro de 2023. 
 
Em fevereiro, o governador do Estado de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), sinalizou que deve privatizar ambas as linhas do transporte.
 
Os estudos para a concessão das linhas da CPTM fazem parte de um pacote de concessões e de parcerias com a iniciativa privada.
 
Com a decisão, na linha Coral mais de 2,8 milhões de pessoas podem ser impactadas e na Safira, 832 mil usuários. 
 
SUZANO A QUE MAIS RECEBEU PASSAGEIROS
 
Entre as estações presentes na região, Suzano foi a cidade que mais recebeu passageiros, foram 713 mil. 
 
Na mesma linha, em seguida, aparece Ferraz de Vasconcelos com 590 mil. Antonio Gianetti Neto recebeu 317 mil.
 
ESTAÇÃO ESTUDANTES
 
Passaram pela Estudantes 266 mil usuários e mais de 240 mil em Poá. As estações de Mogi das Cruzes, Jundiapeba e Braz Cubas registraram 230 mil, 185 mil e 181 mil passageiros, respectivamente. 
 
A estação Calmon Viana, que atende as duas linhas, ao contabilizar, recebe 164 mil pessoas. 
 
Na linha Safira, Itaquaquecetuba recebeu 403 mil usuários, seguida de Engenheiro Manoel Feio (230 mil) e Aracaré (161 mil). 
 
Especialista apoia iniciativa privada para área de transporte
 
O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), anunciou na semana passada, que as linhas 11-Coral e 12-Safira, devem ser alvos de estudos para a privatização. Apesar de ser alvo de críticas por parte dos usuários, o especialista em trânsito e mobilidade urbana, Nobuo Aoki Xiol apoia a gestão na área de transporte pela iniciativa privada. 

Atualmente, as duas linhas que atendem as cidades do Alto Tietê são administradas pela Companhia Paulista de Trens Paulistanos (CPTM). Os estudos para a concessão das linhas da companhia estão em um pacote de concessões e parcerias com a iniciativa privada.

O governador reforçou que as linhas da CPTM e também do Metrô de São Paulo estão no radar de privatizações. "Teremos PPPs (Parcerias Público-Privadas) e concessões na direção da mobilidade urbana. Então vamos estudar a possibilidade de concedermos linhas da CPTM e do Metrô, além de iniciar imediatamente os projetos dos Trens Intercidades Sorocaba-São Paulo, São José dos Campos-São Paulo e São Paulo-Santos", afirmou Tarcísio. 

O especialista explica que a iniciativa privada tem demonstrado maior e melhor capacidade de gerir negócios na área de transporte, seja de carga, seja de passageiros, assim como em relação a rodovias e aeroportos. Ele cita que as linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, comandada pela Via Mobilidade, foram privatizadas de forma açodada, no final da gestão do governo anterior. 

“O que gerou poucos mecanismos de controle e retorno de qualidade dos serviços, basicamente as melhorias estavam baseadas na aquisição de novas composições de trens. A Via Mobilidade é uma empresa do Grupo CCR que tem demonstrado boa gestão como concessionária de rodovias e aeroportos”,explcia. 

Apesar da gestão da Via Mobilidade ocasionar diversas críticas dos usuários nas redes sociais, Xiol explica que é difícil analisar a privatização sem saber das condições e metas propostas. Pois delas depende o aporte de recursos exigidos para a melhoria dos serviços e quais os patamares e índices de qualidade a serem alcançados.

“Acredito que pela experiência que o governador tem desta área, tais falhas sejam corrigidas nas próximas privatizações. Mas é difícil analisar esse cenário”, explicou. 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também