Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 23 de Outubro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/10/2017
mrv

Suzanense escapa de terremoto de 7,1 graus e relata terror vivido no México

Estudante de designer de modas realiza intercâmbio no país. Este foi o segundo tremor sentido em uma semana

Por Marília Campos - De Suzano20 SET 2017 - 14h01
Bianca Lumy Maruyama Osako relatou os momentos de terror vividos durante o terremoto de magnitude 7,1Foto: Divulgação
A suzanense Bianca Lumy Maruyama Osako, de 20 anos, relatou os momentos de terror vividos durante o terremoto de magnitude 7,1 que atingiu a Cidade do México, na tarde de terça-feira (19). A estudante de designer de modas realiza intercâmbio no país há oito meses e este foi o segundo tremor sentido em uma semana. 
 
O terremoto, que afetou a capital mexicana, foi uma das experiências mais tenebrosas vivenciadas pela suzanense nos últimos meses. Este é o segundo sismo em uma semana, quando um tremor de magnitude 8 atingiu o país deixando 96 mortos. Durante o abalo de terça, pelo menos 100 vítimas fatais foram contabilizadas. A data ainda relembra o 32º aniversário de outro grande cataclismo que matou milhares de mexicanos em 1985. 
 
"O clima na rua está super esquisito. Tem uns mercadinhos e as pessoas estão indo comprar água basicamente. Inclusive eu também comprei tudo que vou precisar em casa", disse Bianca em entrevista ao DS horas depois do acontecimento. A estudante vive na região sul da Cidade do México, cerca de 45 minutos da área central onde a situação foi crítica."Do meu quarto vejo uma estação de trem, que geralmente é movimentada, mas agora está deserta. Só vejo um monte de helicópteros e barulho alto de sirene de ambulância, sem parar".
 
A destruição foi assistida por colegas da brasileira que logo passaram a compartilhar fotos e vídeos do caos. "No centro da cidade, no centro histórico, caiu um monte de prédio porque as construções antigas não são preparadas para a situação. Os mexicanos estão acostumados com terremotos, sempre ocorrem sismos nas fronteiras com a Califórnia, nos Estados Unidos, e com a Guatemala", disse. "Me assustei porque em 20 anos no Brasil nunca senti isso. Há uma semana o terremoto aqui foi em movimento horizontal, mas desta vez fez como ondas, em trepidação".
 
No momento do tremor, a estudante tirava uma soneca quando foi despertada pela movimentação. "Eu cai no chão porque estava muito forte, desci do quarto e a proprietária da casa estava na rua. Ninguém me avisou, ninguém sabia que eu estava em casa dormindo. Fui a última a sair na rua", conta. 
As principais dificuldades são enfrentadas pelas famílias da região central, que utilizam o Facebook para buscar ajuda e solicitar mantimentos. "Toda vez que isso acontece, a primeira coisa é acabar a energia. Estamos sem luz e internet". 
 
As imagens enviadas à redação mostram rachaduras imensas no terminal 2 do Aeroporto Internacional Benito Juárez, destruição na área central e no bairro La Condesa, região badalada da Cidade do México. Além de explosões na Avenida de Los Insurgentes, uma das principais vias de acesso da localidade. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias