sábado 20 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Lance Livre

Lance Livre 20-10-2017

20 outubro 2017 - 05h00Por Edgar Leite
Efetividade  
na Gestão
Medida pelo Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEG-M), indicador criado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), a eficiência das prefeituras paulistas voltou a cair em 2017. 
 
Situação financeira
A situação financeira, com dificuldades até para quitar pagamento de funcionários, pode ter contribuído.
 
Dados  
consolidados
Os dados, consolidados a partir de informações de 2016, foram divulgados na semana passada. O IEG-M é um instrumento de contribuição para que as gestões sejam mais efetivas, segundo o TCE. 
 
Lançamento  
em 2015
Lançado em 2015, o IEG-M avalia sete áreas públicas: educação, saúde, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, proteção aos cidadãos (quesitos ligados à área da Defesa Civil) e governança de tecnologia da informação.
Notas
A partir desse levantamento, os municípios são classificados em faixas de resultado: altamente efetiva (A), muito efetiva (B+), efetiva (B), em fase de adequação (C+) e baixo nível de adequação (C). Exceto pela capital, foram analisadas todas as demais 644 cidades do Estado.
 
C+
No Alto Tietê, nenhuma cidade conseguiu nota A. A média, conforme o DS, já noticiou foi C+.
 
Avaliação geral
Em todo o Estado, a avaliação geral média foi de 0,64 (em uma escala de zero a um), contra 0,65, em 2016, e 0,71, em 2015. Diante dos resultados, o TCESP destacou pontos que merecem atenção especial dos gestores.
 
Área de  
Planejamento
Na área de planejamento, por exemplo, 273 municípios foram classificados como C (baixo nível de adequação) no quesito que mede a consistência entre o planejado e o efetivamente executado pelos governos.