sexta 21 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Condenado

Pastor é condenado a 17 anos por matar jovem e ocultar corpo em Mogi

Crime ocorreu em janeiro de 2019; o corpo de Mirele Peixoto Souza foi encontrado na Estrada do Taboão, na região do Itapeti

01 março 2023 - 18h39Por De Mogi

O pastor Adir Neto Teodoro, de 62 anos, foi condenado a 17 anos e quatro meses de prisão por homicídio qualificado e ocultação de cadáver contra a jovem Mirele Peixoto Souza, morta em 2019.

A vítima tinha 22 anos quando foi assassinada. O corpo dela foi encontrado no dia 15 de janeiro daquele ano na Estrada Taboão do Parateí, próximo ao cruzamento com a Estrada da Piedade, no bairro do Itapeti, em Mogi das Cruzes. Ela estava com ferimentos na região do pescoço provocados por arma de fogo. O pastor foi detido oito dias depois do crime, em 23 de janeiro de 2019, no Jardim Suzanópolis, em Suzano. Ele tinha 58 anos na época.

A sentença foi proferida pela juíza Vivian Novaretti Humes, da 1ª Vara Criminal de Mogi das Cruzes. O pastor foi condenado por homicídio contra mulher (feminicídio), com recurso que dificultou a defesa da vítima, além de ocultação de cadáver, já que o corpo foi encontrado em uma área de mata.

O julgamento do pastor durou cerca de 12 horas e só terminou no final da noite de terça-feira (28) no Fórum Criminal de Mogi das Cruzes. Com a condenação, a juíza determinou a manutenção da prisão preventiva de Adir Teodoro, que terá de cumprir a pena, inicialmente, em regime fechado.

O caso

O pastor foi apontado pelas investigações como mandante da morte da jovem. Conforme o DS apurou com a Polícia Civil, o crime teria sido cometido com o sobrinho do pastor, que teve a identidade revelada em fevereiro de 2019. Abraão Rodrigues Silva, segundo a Polícia, foi preso em junho de 2021, pouco mais de dois anos após o crime.

Adir teria sido visto antes do crime com a vítima em uma conveniência às margens da Rodovia Ayrton Senna (SP-70). Um carro, inclusive, teria sido alugado para cometer o crime.

Na época, o então delegado seccional de Mogi, Jair Barbosa Ortiz, afirmou que o pastor disse que a jovem estava “infernizando a família dele”, e que ele se viu “obrigado a eliminá-la”.

Segundo a Polícia, a jovem foi casada com o filho do pastor durante dois anos. Ela deixou uma filha que, na época, tinha oito meses.

O DS tenta localizar as defesas de Adir Teodoro e de Abraão Silva. Assim que houver um posicionamento, a reportagem será atualizada.