segunda 15 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Poá

Setor de Homicídios prende primeiro suspeito na morte de comerciante em Poá

29 junho 2017 - 16h34Por Marcus Pontes - de Poá

O Setor de Homicídios prendeu na quinta-feira (29) o primeiro suspeito de atirar e matar o comerciante Dailson da Rocha Brito, em fevereiro deste ano, na Vila Amélia, em Poá. Brito e o filho foram baleados após reagir a um assalto. Segundo o delegado Eduardo Boigues, a Justiça expediu o mandado de prisão temporária (30 dias).

As investigações para identificar os responsáveis pelo crime completava quatro meses, quando houve a primeira resposta sobre o retrato falado veiculado na mídia. Uma pessoa afirmou ter reconhecido um dos autores do latrocínio. Confirmada a participação do suspeito, a polícia, então, solicitou à Justiça o mandado de prisão temporária de Marcos Roberto Batista Oliveira, de 38 anos.

Boigues conta que o suspeito foi preso em casa, na Vila Faleiros, em Ferraz de Vasconcelos. Na residência, os policiais encontraram a arma usada para atirar e matar o comerciante no início do ano. Oliveira confirmou a participação no crime, inclusive em ter atirado no pai e filho após reagirem ao assalto.

Segundo a polícia, o autor dos disparos já ostenta uma extensa ficha criminal. Ele responde por crimes de receptação, tráfico de drogas e, inclusive, ao homicídio do próprio cunhado. “Ele tem um histórico de crimes. Inclusive assassinou o cunhado”, disse Boigues.

Cronologia

Com a prisão do primeiro suspeito, a polícia já consegue ter  uma cronologia do latrocínio. Em fevereiro, Oliveira foi o primeiro a entrar na padaria e anunciar o assalto. Brito e o filho reagiram e o derrubaram. A reação alertou o comparsa, ainda não identificado, que atirou, primeiro, no jovem. Em seguida, o suspeito detido levantou-se e atirou contra o comerciante, que morreu no local.

Para o delegado, a participação popular foi imprescindível para a identificação do primeiro autor dos disparos. “Foi graças a denúncia que pudemos prendê-lo. É por isto que solicitamos sempre a ajuda da população. Agora, buscaremos meios para prender o segundo assaltante”, reiterou.