Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 09 de dezembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 07/12/2019
Evatânia Psicopedagoga
COLÉGIO PLENITUDE

Ação contra enchente inclui limpeza de valas em 4 bairros de Palmeiras

Ações acontecem para “tranquilizar população” em período de chuvas. Cidade registrou média de 2,85 milímetros

Por Daniel Marques - de Suzano11 NOV 2019 - 22h29
Jardins Nazareth, dos Ipês, Nena e Monte Cristo estão sendo contemplados com os serviçosFoto: Sabrina Silva/DS
A Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos de Suzano segue realizando a limpeza de valas de drenagem em quatro bairros da cidade, além da região de Palmeiras. Os jardins Nazareth, dos Ipês, Nena e Monte Cristo estão sendo contemplados com os serviços.
 
Em Palmeiras, as intervenções são feitas nas imediações da Igreja do Baruel, Estância Americana, Jardim Amazonas e Vila Júlia. Os trabalhos são voltados para a limpeza das valetas que recebem água das chuvas, vinda das galerias instaladas em ruas e avenidas.
 
O objetivo das intervenções é dar mais tranquilidade à população durante os próximos meses, em que a incidência de chuvas aumenta de forma considerável. Outros bairros também serão contemplados com esses serviços. 
 
Poucas chuvas
 
Nas últimas 48 horas, Suzano recebeu média de 2,85 milímetros de chuva. A cidade realiza a medição da pluviometria em quatro estações: Tabamarajoara, Rio Tietê, Palmeiras e Centro. 
 
A primeira recebeu 5,6 milímetros no final de semana. A estação do Rio Tietê computou 2 milímetros no período, assim como o ponto de medição de Palmeiras. A estação do Centro registrou pluviometria de 1,8 milímetros.
A Defesa Civil de Suzano não registrou ocorrências nesse fim de semana. Mesmo assim, a pasta segue monitorando as áreas de risco da cidade.
 
A dona de casa Maria Celeste, 57, diz que as chuvas causam dores de cabeça aos moradores do Parque Maria Helena. "Tem muita gente que tem problemas com chuvas fortes aqui. Em alguns pontos, não dá para andar", relata.
"Para sair (do bairro) tem que dar a volta. Medo nós temos, mas tem que enfrentar", conta o repositor Rodrigo Alves, 25.
 
A Rua Albert Finke tem um córrego que tem ajudado o bairro. O aposentado Joel do Carmo de Moraes, 67, diz que as ruas próximas sofrem com enchentes. "As transversais sofrem muito com as chuvas, enchem bastante", conta.
"Depois que fizeram o rio melhorou um pouco, mas algumas ruas que cruzam com a Albert Finke ficam cheias de água", reforça o ajudante de eletricista Rodrigo Santos da Silva, 21.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias