domingo 21 de abril de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/04/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Comércio varejista tem vendas insatisfatórias no fim de ano

De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio) de Mogi das Cruzes e Região, Valterli Martinez, "as vendas de Natal não foram satisfatórias

08 janeiro 2023 - 12h00Por Ingrid Leone - de Suzano
O comércio varejista da região registrou queda nas vendas de Natal e Ano Novo e contratações temporárias abaixo do esperado com 1,9 mil vagas. 
 
De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio) de Mogi das Cruzes e Região, Valterli Martinez, “as vendas de Natal não foram satisfatórias, esperávamos mais vendas que em 2019. Mas pelos relatos dos comerciantes da região, não foi o que ocorreu, para termos uma melhor avaliação estamos esperando os dados econômicos em relação a dezembro de 2022”.
 
CENÁRIO ECONÔMICO
 
O presidente explica como o cenário econômico do Ano Novo funciona como um reflexo das vendas de Natal. “Ocorre o aumento de troca de presentes que acaba gerando em novas vendas, e uma tradição do comércio nas primeiras semanas de janeiro e assim ter crescimento nas vendas”, comenta. 
 
JANEIRO
 
Para janeiro, o cenário deve melhorar, a expectativa do sindicato é de uma boa primeira quinzena, diante das trocas de presentes. 
 
Enquanto que a partir dos últimos 15 dias do mês, devem observar queda nas vendas por ser um período de férias. 
 
Segundo Martinez, essa queda não se aplica ao setor de materiais escolares, as papelarias. “Neste setor iniciamos as vendas para o ano letivo de 2023. É, praticamente, o natal deste segmento do comércio”, explica.
 
VAGAS TEMPORÁRIAS 
 
A contratação para vagas temporárias também não foi satisfatória. A projeção era de 2,1 mil oportunidades, mas chegou a 1,9 mil.
 
As vagas temporárias complementam o quadro de funcionários para a demanda de fim de ano, que iniciou-se nos primeiros 15 dias de novembro com as vendas da Black Friday, Natal e Ano Novo. 
 
“A expectativa foi abaixo do esperado, e teve vários fatores, como falta de pessoal qualificado para atender o mínimo dos requisitos e contemplar as vagas ofertadas”, disse Martinez. 
 
Destacou também a Copa do Mundo e a eleição como pontos que dificultaram a contratação. 
 
O presidente informou que para o próximo ano estão desenvolvendo o projeto "Talentos do Comércio", em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) para qualificar as pessoas que tenham interesse em trabalhar no comércio.
 
EXPECTATIVA COM O NOVO GOVERNO 
 
A posse do Governo do Estado de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), e da presidência da república, com Luiz Inácio Lula da Silva (PT), gera incerteza no cenário econômico do setor varejista. 
 
“Com a posse dos novos governos, gera incertezas para o setor varejista, pois, precisamos esperar as definições que serão implantadas, se realmente serão favoráveis para o comércio. 
 
Assim, poderemos ter uma avaliação mais concreta após o primeiro trimestre deste ano. Após avaliarmos as medidas tanto do governo estadual como do governo federal”, reflete Martinez.
 
SINCOMÉRCIO
 
Para o Sincomércio, se não forem aplicadas as reformas necessárias para o crescimento da economia e a simplificação dos impostos, tanto na esfera estadual como na federal, como a ampla reforma no sistema tributário, o setor deverá se manter instável. 

Deixe seu Comentário

Leia Também