terça 18 de junho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/06/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Cidades

Miraporanga ainda aguarda ingresso no Plano Municipal de Mata Atlântica

Reserva conta com mais de 1,5 milhões de metros quadrados de mata secundária, lagos, nascentes e plantas raras

02 junho 2019 - 08h00Por Isabelle Santini - de Suzano
O destino da Reserva Miraporanga ainda é incerto. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente está elaborando o Plano Municipal de Mata Atlântica, na qual todas as áreas remanescentes de mata atlântica no município serão consideradas para estudos, inclusive a reserva florestal, localizada no bairro do Baruel.
 
A reserva conta com mais de 1,5 milhões de metros quadrados de mata secundária, lagos, nascentes, plantas raras, vegetação, fauna e flora. E é considerado um dos maiores santuários ecológicos do país, por isso a preservação do local deve ser realizada.
 
Há anos a administração municipal de Suzano vem tentando propor ao Governo o gerenciamento do Parque Miraporanga. Estudos e planos já foram executados para tentar transformar a reserva em um Parque Estadual e abri-lo para visitações. Contudo, por se tratar de uma propriedade privada, o processo acaba sendo dificultado e até hoje nada foi definido. 
 
De acordo com a Prefeitura de Suzano, em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente, o que pode ser feito é o auxílio aos proprietários para que no local seja criada uma reserva particular do patrimônio natural, para que seja possível desenvolver planos que viabilizem e contemplem trabalhos de ecoturismo, educação ambiental e pesquisas científicas. 
 
A elaboração do Plano Municipal de Mata Atlântica é feita em parceria com a Fundação Florestal e com a Associação Nacional dos Gestores Municipais de Meio Ambiente (Anamma).
 
O DS foi até o local e a porteira estava trancada, o que impossibilitou o acesso da imprensa na reserva. Uma placa foi implantada com o intuito de evitar possíveis invasões à propriedade. O vizinho da reserva Miraporanga, Walter Teruaki, autônomo, de 37 anos, comenta que após o falecimento do dono da reserva os filhos assumiram o controle da propriedade e desde então não se vê nenhuma movimentação no local. Porém, o Miraporanga está sob cuidados de um caseiro. 
 
"Deveriam abrir este parque para que ele se tornasse um patrimônio cultural e ajudasse no turismo, o que seria muito bom pra cidade", informa Walter. 
 
Ele ainda ressalta que plantas de diversos países podem ser encontradas na reserva Miraporanga e reitera que isso tornaria o local uma referência em questões e assuntos ambientais.