Envie seu vídeo(11) 4745-6900
segunda 06 de dezembro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 05/12/2021
COLUNA

Walmir Pinto

Walmir Pinto é ator, jornalista, dramaturgo e compositor. Na política é vice-prefeito e secretário de Cultura de Suzano

Hoje melhor que amanhã!

17 JUN 2021 - 05h00

Ser uma pessoa bem informada virou um fardo. Abrir os jornais e ler cada uma das manchetes é quase uma prática masoquista no meio do dia. Pelo menos é assim que venho me sentindo. 
Os fatos recentes da política no Brasil – no mundo também- tem me feito refletir que por pior que seja a notícia, estamos melhor hoje, porque na semana que vem, no dia seguinte, talvez, na próxima hora, algo pior pode acontecer. Nos tornamos um “continente” sem lei, em comparação aos filmes de faroeste que eu assistia quando mais novo. De um tempo para cá tenho sentido que tudo que é mais cruel e horrendo está permitido. 
Veja só, na semana passada, por conta do assassinato da jovem, no Rio de Janeiro, Kathlen Romeu, de 24 anos, só fez ressaltar o que já sabíamos: De que os negros morrem e mais. A morte no Brasil também é uma questão de cor. Os de pele alva não são alvos. E para piorar, na mesma semana teve o caso do jovem que estava com o namorado e foi esfaqueado no peito e na coxa, por um homem, dentro de uma estação de trem em São Paulo.
Esses dois exemplos, entre tantos outros, elucidam justamente o que comecei a dizer no início dessa coluna. Nós “sabemos”que homofobia e racismo são crimes enquadrados no Código Penal Brasileiro. 
E é “possível” que ao você praticar uma dessas duas ações, seja “punido” por isso. Mas o que fazer se quem deveria dar o exemplo, faz e refaz esses e tantos outros crimes?! 
Não são poucos os atos racistas e homofóbicos no nosso dia a dia, e muitos deles praticados por pseudo autoridades. 
A violência no Brasil está sendo legitimada por quem deveria combater todos os tipos de preconceitos. 
O que me leva a crer que na verdade, chegou a hora do povo mostrar como construir uma sociedade justa e igualitária. 
É a mesma resposta que estamos dando aos negacionistas cada vez que um de nós se vacina e/ou toma os cuidados necessários para frear o avanço da Pandemia, indo na contramão do discurso criminoso e genocida de muitos.
Comecei essa coluna dizendo que estamos melhor hoje, porque as notícias são cada vez mais trágicas. Mas acredito que uma resposta efetiva do povo é o caminho para acabar de uma vez por todas com essa enxurrada de fatalidades e crimes. Façamos nós, povo, o Brasil melhor que queremos.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias