sábado 13 de julho de 2024Logo Rede DS Comunicação

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 34,90 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 12/07/2024
Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Editorial

Direção Segura Integrada

09 julho 2024 - 05h00Por editoracao

O Governo do Estado de São Paulo divulgou os números da Operação Direção Segura Integrada (ODSI) e confirma a política de reforço a ações preventivas do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) – órgão vinculado à Secretaria de Gestão e Governo Digital (SGGD). De acordo com o levantamento, no intervalo de seis meses, o volume de veículos fiscalizados subiu 99,3%. No primeiro semestre deste ano, foram 201.298 abordados, contra 100.959 no mesmo período do ano passado. 
O trabalho é, sem dúvida, importante porque contribui para evitar acidentes e para conscientizar a população, por exemplo, sobre a necessidade de separar álcool e volante. A condução de veículos sob influência de álcool é uma das principais causas de sinistros e óbitos no trânsito.
Em 2024, foram realizadas 278 operações, frente a 211 no ano anterior. O índice de autuações por alcoolemia também apresentou aumento de 35,4%. O Detran-SP contabilizou 5.570 motoristas que se recusaram a realizar o bafômetro no semestre, contra 4.408 no mesmo período de 2023. 
Essa ação é realizada em todo o Estado. Inclui as cidades do Alto Tietê. Em relação aos motoristas flagrados dirigindo sob influência de álcool, quando o teste do etilômetro aponta o índice de até 0,33 mg de álcool por litro de ar expelido, o aumento foi de 17,6% no semestre, com 316 casos. No mesmo período de 2023, foram 268.
Tanto dirigir sob efeito de álcool – quando o teste do etilômetro aponta o índice de até 0,33 mg de álcool por litro de ar expelido – quanto recusar-se a soprar o bafômetro são consideradas infrações gravíssimas, segundo os artigos 165 e 165-A do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Em ambos os casos, o valor da multa é de R$ 2.934,70, e o condutor responde a processo de suspensão da carteira de habilitação. Se houver reincidência no período de 12 meses, a pena é aplicada em dobro, ou seja, R$ 5.869,40, além da cassação da CNH.
Já em relação aos casos de embriaguez ao volante, quando os motoristas apresentam índice a partir de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar expelido no teste do etilômetro, há uma redução de 26,4% em ocorrências do tipo. Foram 50 casos entre janeiro e junho de 2024, contra 68 no mesmo período de 2023.