Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 24 de junho de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/06/2019
Governo do Estado - Feminicídio
PMMC JUNHO VERDE
PMMC AGASALHO

Projeto traz oficina e teatro sobre inclusão e acessibilidade a educadores e estudantes

Atividades foram realizadas pela ONG Escola de Gente, por meio de parceria entre a Secretaria de Educação de Suzano e a MRS Logística

Por de Suzano06 JUN 2019 - 14h34
Na noite desta quarta-feira (5) houve a apresentação da peça “Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho, do grupo “Os Inclusos e os Sisos”Foto: Mauricio Sordilli/Secop Suzano

Uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e a empresa MRS Logística trouxe para Suzano, pelo segundo ano consecutivo, o projeto “Aqui Trem Cultura Acessível”, para reflexão e capacitação de profissionais de ensino e estudantes da cidade. A programação incluía a realização de uma oficina e a apresentação da peça “Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho”, do grupo “Os Inclusos e os Sisos”, ambas viabilizadas pela ONG Escola de Gente e realizadas no Teatro Municipal Dr. Armando de Ré.

A primeira atividade ocorreu na noite da última terça-feira (4). Na ocasião, atores e atrizes da trupe ministraram a Oficina de Teatro Acessível, com a participação de 45 pessoas, entre educadores da rede municipal de ensino e alunos das aulas de teatro promovidas pela Secretaria de Cultura de Suzano. Foram abordados os temas inclusão, acessibilidade e direitos de pessoas com deficiência. A metodologia, criada pela ONG Escola de Gente, utiliza jogos teatrais para promover a reflexão sobre o que é uma sociedade inclusiva.

Já na noite desta quarta-feira (5) houve a apresentação da peça “Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho, do grupo “Os Inclusos e os Sisos”, criado pela atriz e apresentadora Tatá Werneck, que já foi assistido por mais de 100 mil pessoas e premiado nas Nações Unidas, pois é o único no mundo a realizar espetáculos com máxima acessibilidade. A peça aborda, com muito humor, questões cotidianas de preconceito e discriminação por meio de sete esquetes em que atores e atrizes se revezam em personagens.

Para garantir a participação de todas as pessoas, foram colocados à disposição 14 recursos de acessibilidade, como intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras), fones para audiodescrição, material de comunicação em braile e formatos digitais, visita tátil ao cenário, rampas de acesso, banheiro adaptado e atendimento acessível desde a fila. Na plateia estavam presentes 320 espectadores, em sua maioria alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e estudantes de Pedagogia da Faculdade Piaget.

“Essa iniciativa foi muito importante para os estudantes e principalmente para os educadores da rede municipal de ensino. A partir das atividades promovidas na cidade por meio da parceria, eles puderam aprender um pouco mais sobre esses temas fundamentais da acessibilidade e da inclusão e descobrir como podem mudar a prática em sala de aula, inserindo melhor as crianças que têm algum tipo de deficiência no ambiente escolar”, destacou o secretário de Educação de Suzano, Leandro Bassini.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias