Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 30 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/09/2020
Pmmc Sarampo
ÚNICCO POÁ
SOUZA ARAUJO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

O perigo da Lagoa Azul

06 SET 2016 - 08h00

Na semana passada, o DS divulgou reportagem mostrando que o número de mortes na Lagoa Azul, em Suzano, tem preocupado. Neste ano, ao menos 4 pessoas morreram afogadas no local.

A população espera providências para evitar novos afogamentos com mortes. Na semana passada, uma inspeção na área da Lagoa Azul poderá apontar as providências que devem ser tomadas no local para evitar o uso irregular por banhistas suzanenses e da região.

A medida foi divulgada pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

De acordo com a Agência Ambiental de Mogi das Cruzes, ainda não foram recebidos os documentos para a realização do esvaziamento da Lagoa Azul, localizada no Jardim Imperador.

A vistoria deverá ser realizada o mais rápido possível, mas de acordo com as prioridades dos técnicos da Agência Ambiental de Mogi.

Os problemas na Lagoa Azul são recorrentes e, na maioria das vezes, estão ligados a afogamentos.

Para se ter uma ideia, somente neste ano já foram computados quatro casos de morte no local, incluindo a ocorrida na última sexta-feira. Entre 2015 e 2016, foram 21 mortes, no total.

Os dados são do 17º Grupamento do Corpo de Bombeiros (GB) de Mogi das Cruzes.

O problema se agrava com o calor, quando passeios e banhos em rios, lagoas e praias do Estado estão entre as alternativas para se refrescar.

Em Suzano, o problema é semelhante.

Crianças e adolescentes, por exemplo, precisam ser observados de perto por pais ou responsáveis.

A ingestão de bebidas alcoólicas também é o principal fator que contribui para o afogamento de adultos.

Geralmente após consumi-las a pessoa entra na água, perdendo a noção de perigo, de risco, assim as habilidades de natação ficam reduzidas.

Em Suzano, após cada acidente, conforme já divulgado pelo DS, a Prefeitura coloca novos cadeados nos portões que cercam o espaço, porém, os banhistas quebram o trinco e voltam a entrar na área. Para evitar novos incidentes, após a última morte – registrada em março -, a administração municipal iniciou estudo para a instalação de uma guarita com segurança na entrada da lagoa.

Anteriormente, a administração falou que seria estudada a ideia de licitar um contêiner com banheiro para que a Lagoa Azul fosse monitorada constantemente.

Também estava em fase inicial de estudos para realizar uma macrodrenagem na Lagoa Azul.

É importante que as providências sejam tomadas para que se evitem novos acidentes graves.

A segurança, neste caso, deve estar acima de tudo.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias