Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quinta 23 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/11/2017
mrv

Ocupações

19 JUN 2015 - 08h00

Sempre é muito complicado para as administrações públicas lidar com ocupações irregulares, invasões nos bairros.

É difícil porque estamos lidando com famílias, com pessoas que estão no local e, apesar de irregulares, precisam de um mínimo de condições de sobrevivência, saneamento básico e outros itens do dia-a-dia.

O problema das invasões foi discutido ontem. A presença do secretário estadual de Habitação, Rodrigo Garcia, foi fundamental para fomentar as discussões em torno do assunto. Um dos problemas mencionados ontem foi a ocupação da área no entorno da Represa de Taiaçupeba.

É preciso garantir as condições de sobrevivência às famílias que estão no local, enquanto a área não é desocupada, mas, por outro lado, no futuro, será necessária a remoção de todos.

É neste momento que os programas habitacionais devem entrar em cena com a abertura de inscrições e oportunidades às famílias.

De acordo com reportagem publicada na edição de ontem pelo DS, a Secretaria de Estado de Habitação dará auxilio a Suzano para remover famílias residentes do entorno da represa.

A medida visa garantir à segurança das moradias que poderão ficar inundadas, após o aumento da vazão de água que será enviada a bacia.

O problema foi apontada pelo prefeito Paulo Tokuzumi (PSDB) e confirmada pelo secretário estadual. Conforme reportagem que o DS traz na edição de hoje, Suzano possui mais de 3 mil famílias no local. É bom lembrar que a ocupação irregular de mananciais prejudica as nascentes e leva esgoto e lixo às represas.

O pior é que as águas poluídas podem trazer prejuízos incalculáveis para a própria população do entorno. Limpar um litro de água contaminada custa dez vezes mais do que tratar um litro obtido em área de matas.

A discussão então é importante. O debate sobre o problema, iniciado ontem, é muito produtivo. Garante uma conscientização maior de todo o cenário regional e obriga os poderes públicos a abrir iniciativas para tentar solucionar a situação.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias