Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 20 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/11/2017
mrv

Seleção brasileira enfrenta a França no primeiro amistoso da temporada

26 MAR 2015 - 08h01

Dunga não participou do 7 a 1 na última Copa do Mundo, mas, além de ser o capitão do tetra, foi um dos protagonistas de duas derrotas que marcaram a história do futebol brasileiro: a eliminação diante da Argentina, em 1990, e a derrota por 3 a 0 na final do Mundial de 1998, contra a França. É para enfrentar o mesmo adversário que a equipe volta a campo hoje, às 17 horas (de Brasília), no Stade de France, em Paris, no primeiro amistos de 2015. Para o técnico, é uma oportunidade para, mais uma vez, começar a dar a volta por cima.

Dunga parece determinado a mostrar aos jogadores que estão em Paris que integrar a seleção é um constante exercício de duras quedas, sucedidas de vitórias gloriosas. O técnico mencionou esses altos e baixos em sua entrevista coletiva realizada ontem. Para Dunga, a derrota de 1990, que recaiu sobre seus ombros, foi a mais dolorosa, mas acabaria compensada pelo tetra, em 1994. Já os 3 a 0 contra a França em 1998 precederia o penta, em 2002.

Seguindo a lógica, a derrota de 7 a 1 para a Alemanha na Copa do Mundo do Brasil, em 2014, pode ser o embrião de uma nova volta por cima, desta vez na Rússia, em 2018. "Ser campeão do mundo é difícil, é para poucos. A França teve grandes jogadores, mas só ganhou uma vez", lembrou, rasgando elogios ao time francês que tinha ídolos como Zidane, Henri e Deschamps, hoje treinador.

Questionado sobre como preparar a equipe para transformar uma derrota em combustível de vitórias, Dunga se valeu dos exemplos do passado. "Depende muito de quem está no comando dos jogadores, mas principalmente aprender com o que aconteceu e tentar fazer de uma forma diferente", entendeu.

Para Dunga, é preciso três elementos para retomar o caminho das vitórias: pensar como vencedor, agir com atitude e realizar o que foi imaginado. "No papel, tudo dá certo. Mas é dentro do campo que temos de ser bons", reiterou.

Não é por acaso a escolha dos auxiliares "pontuais" eleitos por Dunga para palestrar aos jogadores. Nesta quarta-feira foi a vez de Jairzinho, testemunha do fracasso de 1966 e um dos heróis de 1970, falar aos jogadores. "Temos de aprender com as derrotas para ganhar. Poucas vezes temos duas chances. Quando temos, temos de aproveitar".

Em meio a essa atmosfera cheia de lições esportivas, Dunga optou por um mistério na escalação do time a respeito de Roberto Firmino. Questionado sobre se o atacante alagoano do Hoffenheim seria o seu escolhido, já que havia recebido o colete de titular no treino da última terça-feira, o técnico desconversou. "Nós não confirmamos nada. O colete é uma mera distribuição de posições. Fizemos um treinamento ontem (terça) para trabalhar a defesa, a movimentação do ataque".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias