Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 20 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/11/2017
mrv

Chocados, vizinhos tentaram salvar vítimas. Eles relatam cenário de ‘terror’

23 ABR 2015 - 08h01

A tragédia que deixou oito pessoas feridas, uma delas em estado grave, comoveu a vizinhança da Rua João Cunha, no Jardim Lazzareschi, Suzano. Antes das viaturas dos bombeiros chegaram para o atendimento, os moradores já haviam se mobilizado para tentar salvar as vidas dos vizinhos.

"Quando chegamos estava um cheiro queimado e uma poeira alta", contou o soldador, Jonathan da Conceição, que participou dos salvamentos.

"Eu vi a Eliane correr toda chamuscada, saía fumaça da boca dela. Ela gritava por ajuda", contou o técnico de enfermagem, Marcos Luiz da Silva Santos. "Fui direto até a casa e vi bastante poeira. Estava escuro, pulei o muro e vi dois moradores soterrados em um cômodo", completou.

"A impressão que tive era de que algo tinha caído na minha casa", explicou a técnica de atividade escolar, Evelize Rosa Bezerra. A casa dela fica em frente a que explodiu.

O portão dela que tinha uma chapa de alumínio ficou retorcido. O carro, que estava na garagem teve os vidros quebrados com o impacto. Houve destelhamento.

"Achei que estava acabando o mundo. Foi um desespero", contou Celso Clemente, morador da casa ao lado. A casa dele foi parcialmente interditada pela Defesa Civil, depois que parte da parede da sala despencou.

Na residência, estava ele a mulher e o filho, que normalmente passa as noites jogando videogame na sala. Por sorte, ontem, ele não estava lá no momento. No susto, Clemente teve que pular a janela para ajudar o filho a sair do quarto - próximo à sala.

Do outro lado da rua, a cozinheira, Elza Rosa, contou que acordou assustada com barulho intenso. "Ouvi o estouro e pensei que era acidente na avenida", disse.

A enfermeira, Adriana Aparecida Morelli, reconheceu a casa do cunhado Marcelo pela televisão. Ela mora em Ribeirão Pires. Quando chegou ao local ficou transtornada com a situação que viu.

"Soubemos pelo jornal na televisão. Tentamos contato com ele pelo telefone e não atendia", contou. "Eu soube que ele está bem queimado e que com o impacto da explosão foi arremessado para a casa do vizinho", finalizou.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias