Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quinta 23 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/11/2017
mrv

Moradores denunciam desmatamento em área de proteção no Parque Astúrias

09 JUL 2015 - 08h01

O Departamento de Fiscalização de Posturas da Prefeitura de Suzano vistoriou uma área pública e de preservação ambiental que está sendo alvo de cortes de árvores, no Parque Astúrias. A ação foi acompanhada por agentes do Meio Ambiente. O proprietário da área foi notificado e orientado a prestar esclarecimentos posteriores (documentação da área e prováveis licenças). Segundo relatos dos moradores próximos ao local, as árvores começaram a ser derrubadas há pouco mais de uma semana.

“Parte da área onde ocorreu a intervenção é pública, porém as máquinas foram encontradas em terreno particular”, explicou a Prefeitura, por meio de nota.

"A administração municipal acompanhará o caso de perto e caso a lei ambiental seja descumprida o responsável será multado e enquadrado nas aplicações das penas".

Desconfiado, um dos moradores decidiu acionar a Ouvidoria para informar sobre os cortes. Ele conta que máquinas e motosserras faziam o trabalho. "Quando comprei o terreno precisei de inúmeras autorizações para conseguir construir. Quando foi liberado, no papel veio escrito que era área de preservação ambiental", explica. "Agora vemos tratores e em pouco tempo já conseguiram derrubar essa quantidade de árvores. Percebemos que aqui há mata nativa que está sendo destruída. Talvez sem autorização". Segundo o morador, a área também possui uma fonte de água.



QUATRO RUAS

Em uma semana, as máquinas que trabalham no terreno já traçaram cerca de quatro ruas. Do alto do morro é possível perceber que os cortes de árvores são recentes e que o mato está baixo.

No domingo, os moradores perceberam que uma viatura da Polícia Ambiental esteve no local, mas não procurou por ninguém, apenas vistoriou a situação.

Há pouco mais de dois anos, outra moradora, que pediu para não ser identificada, contou que esperou pela autorização de construção e da ligação entre água e luz cerca de seis meses.

"Foram seis meses indo e voltando na Secretaria de Meio Ambiente para conseguir a autorização. A gente vê que com essa derrubada os pássaros ficam desnorteados voando para lá e para cá", lamenta.

O morador contou que a área já está sendo cogitada como área de invasão por moradores. "Vieram umas pessoas aqui no final de semana e perguntaram se o terreno tinha dono. Acredito que a intenção delas era invadir".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias