Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quinta 23 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/11/2017
mrv

Represas da região vão receber 5,5 mil litros de água por segundo até agosto

18 ABR 2015 - 08h01

O superintendente da Unidade de Negócio Leste da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Márcio Gonçalves de Oliveira, afirmou ontem que até agosto, as represas que compõem o Sistema Produtor Alto Tietê (Spat) passarão a receber mais 5,5 mil litros de água por segundo. A ampliação da vazão será o resultado da conclusão das obras de interligação do Rio Grande, pertencente à Represa Billings, transferência do córrego Guaratuba à Ponte Nova e captação do Rio Guaió. Ontem, ele vistoriou as obras que estão sendo realizadas em Suzano e afirmou que o rodízio ainda não está descartado.

A previsão de entrega das obras no Rio Guaió continua sendo 30 de maio. A ligação contribuirá com mil litros de água por segundo. A quantia é suficiente para abastecer mais de 300 mil pessoas. A obra está orçada em R$ 28,9 milhões e conta com mão de obra própria da Sabesp. Hoje, a intervenção possui sete frentes de trabalho para implantação de 9 quilômetros de adutoras. "O Rio Guaió nasce em Mauá, no ABC Paulista, passa por Suzano, Ferraz de Vasconcelos e deságua no Tietê. Com a obra, vamos bombear 120 metros na estação elevatória e lançar à água no Ribeirão dos Moraes, afluente do Córrego Taiaçupeba-Mirim, por meio de tubulações, em seguida ele é lançado naturalmente na Represa Taiaçupeba", explica.

Segundo o superintendente, 35% das obras estão concluídas, mas todas as licenças ambientais necessárias já foram concedidas. A obra vai beneficiar moradores do Alto Tietê, Zona Leste de São Paulo. Vale destacar que o Spat abastecerá os reservatórios do Sistema Cantareira durante o período de estiagem e a Sabesp frisa ainda que o Cantareira não sairá da cota do volume morto até outubro.



RACIONAMENTO

Oliveira revelou também que a Sabesp não descarta um possível racionamento, mas afirma que a companhia não trabalha com a perspectiva. "Realizamos nos últimos meses uma série de medidas como bônus, redução de pressão e obras emergenciais, além de termos recebido uma boa quantidade de chuvas em fevereiro e março. O Alto Tietê conseguiu economizar 10,2 milhões de litros a partir dessas ações", detalha. Caso seja necessária a implantação de um rodízio de água, o superintende ressalta que o esquema não está definido e adianta que a Sabesp vai avaliar cada caso no momento certo. "Ainda não temos um padrão de como poderá ser o rodízio". Atualmente, o Alto Tietê possui capacidade para tratar até 15 mil litros de água por segundo. Mas trata entre 11 e 12 mil litros.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias