Envie seu vídeo(11) 4745-6900
terça 25 de janeiro de 2022

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/01/2022
COLUNA

Lorena Burger

Advogada

Lorena Burger de Freitas Alves dos Santos é advogada

Vida em comum

11 JAN 2022 - 05h00

Tudo parece fácil e maravilhoso quando encontramos nosso par ideal, aquele sonhado desde a adolescência e que parece ter sido feito sob medida para partilharmos a vida.
Os sonhos e os planos são conjugados no mesmo verbo e da mesma forma, tudo parece se encaixar maravilhosamente bem, a perfeição ali se instalou e nos mostra um caminho pleno de felicidade e amor.
Seja por meio do casamento convencional, onde se prolonga o namoro com o noivado e em seguida as bodas com a participação da família, amigos e convidados, onde todos percebem a felicidade estampada nos sorrisos e nos longos olhares amorosos trocados pelos amantes, seja pelo método mais simples e econômico que é a decisão de morar juntos, unindo suas coisas e esperando que tudo se encaminhe bem, de ambas maneiras o casal espera concretizar seus sonhos e evoluir juntos.
É nessa perspectiva que se inicia a vida a dois... Nem sempre é fácil, afinal são duas pessoas que o amor uniu, mas que provem de famílias e bases diferentes, a criação é diversa, mesmo quando semelhante.
Como dizem dividir o sal ou morar sob o mesmo teto não é tão fácil como parece, ambos terão que se adaptar usar de toda compreensão possível para entender o outro e buscar soluções em conjunto que facilitem esse relacionamento e que torne a vida prazerosa de ser vivida a dois, mesmo que enfrentando algumas dificuldades.
Não se pode entender um bom relacionamento com o boicote de atividades de um e de outro lado, quando se conheceram cada um tinha sua personalidade, seus defeitos e suas qualidades e tudo era perfeito, nada incomodava e deve permanecer assim, sempre com algumas adaptações para que a vida flua com mais suavidade.
Desde o tempero da comida, a arrumação da casa, os hábitos individuais, tudo tem que ser amoldado à convivência que se inicia uma nova família ali se constitui.
Os planos discutidos, os sonhos partilhados e com eles as despesas, os lucros, a alegria das conquistas, tudo isso faz parte de uma união regrada pelo entendimento.
Se ambos trabalham, o que é normal e comum nos dias dificultosos de hoje, as atividades rotineiras no lar são partilhadas com alegria e boa vontade, afinal a meta é vencer sempre unidos, sendo o amor e o companheirismo a base desse relacionamento que terá por certo suas discordâncias, mas que sempre se chegará a um consenso.
A vida em comum não é um mar de rosas, perfeito e colorido, tem espinhos e dificuldades, mas o dialogo, a paciência, a decisão de ceder quando necessário à opinião do outro facilitará sempre a convivência... Por vezes até o calar é bom...
A união feliz normalmente é coroada com a chegada dos filhos, não importando o número deles ou o sexo e, aí as novas experiências são vistas sob novos olhares, sempre mais alegres e esperançosos, afinal pequenos seres dependem de ambos, são seus guardiães e responsáveis pelo seu crescimento envolvidos naquele amor que uniu o casal e que agora cresce.
Quando esse amor se transforma e se amplia a vida simplifica e fica mais fácil porque aí também se instala a compreensão, o entendimento e a paciência que o tempo solidifica e aperfeiçoa... 

 

CENTRO MEDICO INFLUENZA
UMC

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias