Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Segunda 20 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/11/2017
mrv

Desmoronamentos

15 MAR 2015 - 08h00

A s áreas com risco de desmoronamentos nas cidades da região vêm sendo constantemente monitoradas. Mas, isso não significa dizer que a segurança para moradores que estão nessas condições seja efetiva.

Na semana passada, ao menos 11 casas foram atingidas pelo desmoronamento de um barranco, no bairro Morada Feliz, em Itaquaquecetuba. Só para se ter uma ideia, deste total, a Defesa Civil interditou seis residências, sendo uma parcialmente.

Quatro casas ficaram em “observação”. Os Bombeiros e a Guarda Civil Municipal (GCM) realizaram buscas no local, porém ninguém ficou ferido. Por sorte. As imagens mostradas preocuparam os moradores.

Locais de risco são áreas consideradas impróprias ao assentamento humano por estarem sujeitas a riscos naturais ou decorrentes da ação antrópica. Por exemplo, margens de rios sujeitas a inundação, florestas sujeitas a incêndios, áreas de alta declividade (encostas ou topos de morros) com risco de desmoronamento ou deslizamento de terra, áreas contaminadas por resíduos tóxicos, etc. Por isso, é preciso um monitoramento constante nesses locais.

O mapeamento das áreas de risco serve para identificar locais de encostas e margens de córrego sujeitas a escorregamentos e a processos de erosão.

O estudo abrange a totalidade das áreas vulneráveis nas cidades. Esse tipo de iniciativa tem objetivo de eliminar áreas de risco e dar solução habitacional para as pessoas que vivem nesses locais foram iniciadas em 2005.

O desassoreamento de córregos, e obras de grande porte, como muros de contenção, também são importantes. A implantação dos Parques Lineares ao longo de rios e córregos, antes ocupados por moradias irregulares, pode devolver suas margens e ampliar áreas verdes e permeáveis de São Paulo. Cabe ressaltar que, integradas, essas ações possibilitaram a redução do risco para áreas tidas como críticas.

Na semana passada, em Itaquá, as suspeitas são de que canos da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que foram estourados por conta de obras, tenham causado infiltração de água e prejudicando as estruturas das casas.

Somente um laudo vai confirmar, mas, enquanto isso, é preciso que todas as providências sejam tomadas para que se evite o pior.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias