Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Sábado 25 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/11/2017
mrv

Petrobras

24 ABR 2015 - 08h00

Depois de um longo período de espera e expectativa, a Petrobras finalmente divulgou, nesta semana, o balanço auditado do exercício de 2014. A companhia registrou no ano passado um prejuízo de R$ 21,587 bilhões, contra um lucro de R$ 23,6 bilhões em 2013.

A Petrobras informou no balanço que a baixa contábil pelo esquema de pagamentos indevidos investigado pela Lava Jato foi de R$ 6,194 bilhões.

Ao comentar o balanço, o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, fez um pedido de desculpas em nome dos funcionários da companhia pelo escândalo de corrupção.

“Sim, a gente está com sentimento de vergonha por tudo isso que a gente vivenciou, por esses malfeitos que ocorreram”, disse na ocasião.

Verdadeiramente um grande pedido de desculpas que tem de ser feito.

É importante dizer que as perdas de R$ 6,2 bilhões da Petrobras com corrupção no ano passado poderão servir de “referência” para ressarcimentos em eventuais acordos de leniência que venham a ser celebrados com as empresas investigadas na Operação Lava Jato.

É o que se espera. A partir da contabilização, certamente a empresa tem um valor-base para a busca do ressarcimento.

Ainda não temos detalhes sobre como foram contabilizadas as contas da Petrobras.

Isso vai ajudar também nos processos de responsabilização e, eventualmente, em algum acordo de leniência que porventura possa vir a ser firmado. É uma referência, mas precisamos entender como os cálculos foram feitos.

Nesta semana, com atraso, a Petrobras divulgou o balanço fiscal auditado do ano passado entregue à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Usando metodologia baseada no conteúdo das investigações do Ministério Público Federal, os valores referentes à Lava Jato referem-se a 3% do valor de contratos com 27 empresas membros do cartel entre 2004 e 2012. Entre as diretorias, a de Abastecimento foi responsável pelo desvio de R$ 3,4 bilhões, a de Exploração e Produção, por R$ 2 bilhões, e a de Gás e Energia, por R$ 700 milhões.

Os dados divulgados foram importantes. Agora é esperado que a principal empresa do País mantenha seu patrimônio para o bem do povo brasileiro.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias