Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 22 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/11/2017
mrv

Terceirização polêmica

22 ABR 2015 - 08h00

O DS ouviu, na semana passada, sindicatos de diferentes categorias sobre o polêmico projeto de lei que regulamenta a terceirização do trabalho no Brasil.

Organizações sindicais já saíram às ruas para protestar. Em seu texto original, o projeto permite que as empresas terceirizem até suas atividades-fim, aquelas que estão no centro da atuação das companhias. Segundo os sindicalistas ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT), sua aprovação promoveria a precarização das relações de trabalho no País.

Já as entidades patronais, como a Fiesp, defendem que a medida poderia gerar milhares de novos postos de trabalho, além de ampliar a segurança jurídica para os 12 milhões de brasileiros que já prestam serviço como terceirizados.

A polêmica existe. É preciso avaliar, muito bem, os dois lados “da moeda”.

O projeto ainda precisa ser votado no Congresso e a pressão é grande nas ruas e redes sociais para que seja alterado. Deputados do PT e parte do PSDB se opõem, inclusive, ao artigo que permite a terceirização das atividades-fins das empresas.

Mas a polêmica está longe de ser nova. Há décadas os economistas se dividem dentro e fora do Brasil sobre os possíveis efeitos da terceirização de trabalhadores pelas empresas.

Fica a pergunta: a terceirização ajuda a gerar empregos ou apenas precariza as relações de trabalho?

Quem defende diz que ampliar as possibilidades de terceirização das atividades das empresas pode ajudar a tornar a economia brasileira mais competitiva, impulsionando a criação de empregos no médio prazo.

No que diz respeito aos efeitos da terceirização sobre os direitos dos trabalhadores as opiniões também se dividem.

Segundo a CUT, quatro em cada cinco acidentes de trabalho envolvem funcionários terceirizados. Esses empregados também receberiam salários 25% menores e trabalhariam 3 horas a mais por semana que os contratados.

Dados mostram que uma ampliação da terceirização ceifaria direitos e conquistas da classe trabalhadora no Brasil.

Mas, é importante que, nesse momento, com muita cautela seja analisado todos os itens, ponto-a-ponto, do que deve ser realmente o projeto. Uma coisa é certa: seja o que for votado, os trabalhadores não podem se sentir prejudicados.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias