Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 22 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/11/2017
mrv

Transporte em destaque

26 MAR 2015 - 08h00

O secretário de Logística e Transportes do Estado de São Paulo, Duarte Nogueira, participará hoje da 3ª Reunião Ordinária do Consórcio de Desenvolvimento Regional dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), em Santa Isabel. No encontro, Duarte conversará com os prefeitos das principais demandas de infraestrutura viária das cidades da região.

Esta deve ser, aliás, oportunidade ímpar aos municípios que vêm fazendo uma série de reivindicações para melhorias no sistema viário.

Suzano, por exemplo, deve fazer cobranças em relação à Marginal do Rio Una. No ano passado, o governador Geraldo Alckmin lançou o edital de licitação das obras para reconstrução da pista, que é a principal via de acesso de Suzano ao ABC Paulista e ao litoral, utilizando a Rodovia Índio-Tibiriçá (SP-31).

Orçada em R$ 73 milhões, a obra teria duração de 18 meses com a realização de serviços de canalização com ampliação da capacidade do Rio Una, além da pavimentação, drenagem e sinalização da via marginal.

Os serviços ainda não se iniciaram. Na semana passada, Suzano cobrou o Estado sobre o início das obras.

É bom lembrar que os recursos são do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), vinculado à Secretaria de Estado de Logística e Transportes. Cerca de 260 mil pessoas serão beneficiadas.

As cidades da região contam hoje com inúmeros corredores de ônibus municipais; na porta de entrada de cada uma das cidades, milhares de ônibus intermunicipais se locomovem como podem, assim como os coletivos municipais.

É importante também que, além do sistema viário, seja melhorado o transporte público.

De acordo com especialistas, o problema viário vem desde 1950, quando o País deixou de investir em malha ferroviária e apostou suas fichas nas rodovias.

Para eles, é possível pensar a substituição do transporte viário pelo ferroviário, mas é uma proposta que custará caro e demandará de 30 a 50 anos de investimentos.

Enquanto isso não acontece hoje será uma oportunidade de as cidades tentarem com o Estado, por meio da Secretaria de Transportes, uma solução para o setor viário.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias