Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 25 de março de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/03/2019
CENTERPLEX SUZANO
PMMC SEMAE
Esporte

Gabriel Medina é bicampeão mundial de Surfe no Havaí

Primeiro título do brasileiro foi em 2014

Por Lucas Lima - Especial para o DS17 DEZ 2018 - 21h22
Gabriel Medina é bicampeão de SurfeFoto: Laurent Marusel/WSL
Não foi o suficiente ser o primeiro brasileiro campeão mundial de Surfe e se igualar a Kelly Slater - 11 vezes campeão mundial - como o surfista mais jovem a conquistar esse feito, aos 20 anos, em 2014, para Gabriel Medina. O surfista de Maresias, prestes a fazer 25 anos daqui a quatro dias, se tornou bicampeão mundial agora há pouco na etapa do Havaí. 
 
Disputando o caneco com o surfista brasileiro Filipe Toledo, o Filipinho, e com o australiano Julian Wilson, Medina honrou a camisa amarela - usada pelo líder do ranking no Circuito Mundial (WSL) - e fez história mais uma vez.
 
Filipinho, que tinha chance do título, viu o sonho ir embora após perder no round 3, no último domingo (16). Já Julian Wilson viu tudo acabar nesta noite de segunda-feira (17), quando Medina ganhou do sul africano Jordy Smith na semifinal e garantiu a vaga na final - o resultado não deu mais chance ao australiano de alcançar o brasileiro mesmo se ganhasse a etapa. 
 
Medina se mostrou concentrado em as todas baterias do “Billabong Pipe Masters”, etapa do Havaí. Venceu todas as disputas com sangue nos olhos, como um “caçador”, com resultados expressivos.
 
Trajetória do campeão
 
Das 11 etapas que houve no ano, lembrando que a etapa de Margaret River (Austrália) foi cancelada após ataques de tubarões, Medina venceu duas. A primeira foi o “Tahiti Pro Teahupo’o”, no Tahiti, em agosto. A segunda veio logo em seguida, em setembro, com o título do “Surf Ranch Pro”, a famosa Piscina do Kelly Slater, etapa incluída neste ano no Circuito Mundial, nos Estados Unidos. 
 
Contudo, não foram apenas essas duas vitórias que garantiram o título mundial ao brasileiro. Foi uma soma de resultados.
 
No “Quiksilver Pro Gold Coast”, primeira etapa da Austrália e do ano, Medina passou despercebido, parando no terceiro round.
 
Na etapa seguinte, no “Rip Curl Pro Bells Beach”, também na Austrália, o surfista chegou até a semifinal, quando foi eliminado para o brasileiro Itálo Ferreira, que na ocasião venceu a etapa diante do tri campeão mundial Mick Fanning, que se despediu da carreira profissional após a final.
 
Já no “Oi Rio Pro”, no Rio de Janeiro, Gabriel Medina chegou até as quartas de final.
No “Corona Bali Protected”, na Indonésia, o brasileiro foi até o round 4.
 
Também na Indonésia, no “Uluwatu CT”, Medina chegou até as quartas de final.
Menos de um mês depois, no “Corona Open J-Bay”, na África do Sul, ele parou mais uma vez nas quartas de final, desta vez para Filipinho, que venceu a etapa. 
 
Depois vieram as duas vitórias consecutivas, no Tahiti e nos Estados Unidos.
Já no início da perna européia, no “Quiksilver Pro France”, onde defendia o título da etapa de 2017, Medina saiu fora na semifinal para o próprio Julian Wilson.
 
Antes da etapa do Havaí, no “Rip Curl Pro Portugal”, em Peniche, o surfista brasileiro parou também na semifinal para Itálo Ferreira.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias