Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Sábado 25 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/11/2017
mrv

GP da Malásia de F1 conta com retorno de Alonso e favoritismo da Mercedes

28 MAR 2015 - 08h00

Assim como aconteceu na temporada passada e na primeira prova desta, na Austrália, a Mercedes é considerada mais que favorita para o GP da Malásia, a segunda etapa do calendário da Fórmula 1 em 2015, que acontecerá amanhã, a partir das 4 horas (de Brasília). O inglês Lewis Hamilton, atual campeão da categoria e vencedor em Melbourne, e o alemão Nico Rosberg prometem uma luta entre eles pela vitória.

O que se pode esperar de emoção no circuito de Sepang é a disputa entre a Williams e a Ferrari pelas melhores colocações atrás da Mercedes. Nesta briga estarão presentes o brasileiro Felipe Massa, terceiro colocado na Austrália, o alemão Sebastian Vettel e o finlandeses Kimi Raikkonen e Valterri Bottas.

Quem também busca se intrometer, mais uma vez, no pelotão da frente, é o brasileiro Felipe Nasr. Na sua estreia na categoria, o piloto da Sauber fez uma corrida sem erros em solo australiano e conseguiu um surpreendente quinto lugar, o melhor em uma estreia de brasileiro na Fórmula 1.

Outra atração é a estreia do espanhol Fernando Alonso, agora na McLaren, que não pôde correr em Melbourne por estar se recuperando de um acidente sofrido em um treino de pré-temporada no circuito de Barcelona, na Espanha, no início deste mês. Com o bicampeão da Fórmula 1, a escuderia inglesa espera melhor desempenho, já que na estreia apenas o inglês Jenson Button entrou na pista e ficou na 11ª colocação. "É ótimo estar de volta ao carro. Talvez eu não esteja 100% em forma depois de duas semanas no sofá e duas semanas fora do carro, mas estou em forma o suficiente para aproveitar", disse Alonso.

O que pode ser um fator determinante para a corrida é o forte calor que faz na Malásia nesta época do ano. Com o asfalto abrasivo, com temperatura na casa dos 55 graus Centígrados, o desgaste dos pneus será enorme. Por isso, as equipes sabem que precisam usar uma boa estratégia para não serem surpreendidos.

"Os pneus sofreram muito nas condições da pista e a degradação é alta, mas é a mesma para todos. O objetivo é diminuir a diferença para o pelotão de frente. Há tempo para isso, mas nós iremos estudar os dados cuidadosamente para ter certeza de que poderemos tirar o melhor do carro", afirmou Felipe Massa.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias