Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 22 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/11/2017
mrv

Cidades devem imunizar 158 mil animais durante Campanha Antirrábica

02 AGO 2015 - 08h01

Quatro cidades do Alto Tietê devem imunizar 158 mil cães e gatos durante a Campanha Antirrábica 2015. A expectativa é de que o número de doses aplicadas seja 17,7% superior ao de 2014, quando chegou a 134,1 mil. Mogi das Cruzes deve vacinar 55 mil cães e 8 mil gatos, a mesma quantidade de 2014. Já Suzano projeta imunizar 40 mil animais, cinco mil a mais do que no ano passado.

Os dados têm como base informações passadas pelos centros de Zoonoses das prefeituras. Apesar de originalmente a campanha ser realizada em agosto, também chamado de "mês do cachorro louco", iniciativa contra a raiva deve ser realizada somente entre setembro e outubro, conforme apontado pela Prefeitura de Mogi das Cruzes. Ainda assim, "a confirmação dependerá do envio das doses pelo governo do Estado", atentou.

Procurada, a pasta estadual disse que dados sobre a campanha devem ser obtidos com as prefeituras. Apesar de também questionadas, as administrações de Suzano, Ferraz de Vasconcelos e Itaquaquecetuba apontaram que ainda não há data para a realização da vacinação dos animais.

A vacinação antirrábica é considerada importante já que nenhuma cidade da região procurada pelo DS registrou raiva em animais domésticos nos últimos anos. A Prefeitura de Suzano atentou que, caso as pessoas sejam mordidas por cães e gatos sob suspeita da doença, elas devem procurar imediatamente a unidade de saúde mais próxima para averiguação médica.

CONTAMINAÇÃO

A contaminação ocorre quando o homem é mordido ou simplesmente entra em contato com a saliva de cães e gatos doentes. "Pessoas mordidas, arranhadas ou feridas por estes animais devem lavar bem o local atingido com água e sabão e procurar atendimento médico. O animal deve ser observado por dez dias, em local isolado, e qualquer mudança no seu comportamento precisa ser informada às autoridades de saúde", enfatizou a administração mogiana. Já Ferraz completou. "Neste período a doença atinge o cérebro e leva o animal a óbito". Animais com raiva ainda têm aversão à claridade, ficando acuados e não se alimentando. Além disso, eles apresentam baba em excesso.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias